O banco mau e o “melhor amigo”  de Costa
Rui Hortelão Director da SÁBADO
14 de abril de 2016

O banco mau e o “melhor amigo” de Costa

A SÁBADO revelou na edição de 11 de Fevereiro, em primeira mão, quem era e o que andava a fazer Diogo Lacerda Machado em nome do Governo nos casos dos lesados do BES e na TAP. Mas foram precisos quase dois meses para que se discutisse o assunto

São conhecidos e evidentes os choques entre o primeiro-ministro e o governador do Banco de Portugal, mas na última semana assistimos a uma sintonia de altíssimo nível sobre um tema tão delicado quanto a criação de um banco mau que sirva todos os outros. Carlos Costa foi o primeiro a falar desta solução na Comissão de Inquérito Parlamentar ao Banif. E até adiantou logo o primeiro obstáculo: para criar um veículo que fique com os activos dos bancos que não geram rendimento será necessário existir "disponibilidade de capital para compensar os custos que a solução vai ter no balanço".

Sem coincidências, apenas cinco dias depois, António Costa anunciou estar a trabalhar para "encontrar um veículo de resolução para o crédito malparado, de forma a libertar o sistema financeiro de um ónus que dificulta uma participação mais activa no financiamento às empresas". No mesmo dia, Marcelo Rebelo de Sousa comentou a proposta e classificou-a, de imediato, como "uma ajuda adicional para fortalecer um sistema financeiro como o português".

A ideia que reúne uma rara unanimidade entre o Banco de Portugal, o Governo e a Presidência da República – e que foi evidentemente discutida por todos antes de começarem a falar dela –, segue a linha das soluções implementadas, nos últimos anos, por Espanha e Itália, com a inevitável aprovação da Comissão Europeia. E, na prática, já foi, inclusive, aplicada na resolução do Banif, com a venda tradicional ao Santander Totta e o envio dos activos tóxicos para a Oitante. Trata-se ainda de um modelo semelhante ao que está a ser trabalhado no Novo Banco, com o objectivo de criar um side bank que fique com os activos não centrais do negócio bancário.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais