7 de Agosto 2003: Ferguson contrata Ronaldo
Rui Miguel Tovar Jornalista
07 de agosto de 2016

7 de Agosto 2003: Ferguson contrata Ronaldo

Os jogadores do Manchester estão vidrados em Cristiano Ronaldo, o miúdo que destroça a sua defesa, sobretudo o pobre irlandês O’Shea, fintado vezes sem conta

O Sporting entra no século XXI com a construção do novo estádio José Alvalade. Para a estreia, convida-se o Manchester United e toma lá 3-1. Luís Filipe marca o primeiro golo do estádio, João Vieira Pinto estica a vantagem para 3-0 (aos 61’ e 80’) e só um autogolo de Hugo (87’) encurta a distância. Durante o jogo, os jogadores do Manchester estão vidrados em Cristiano Ronaldo, o miúdo que destroça a sua defesa, sobretudo o pobre irlandês O’Shea, fintado vezes sem conta.

 

Conta Ferguson, mais detalhadamente, na sua autobiografia. "Nesse Verão, o Carlos [Queiroz] foi para o Real Madrid e nós fizemos uma digressão pela América. Peter Kenyon [director-desportivo] saiu, Juan Sebastián Verón [médio argentino] saiu. Parte do nosso acordo acertara que jogaríamos com o Sporting no seu novo estádio, construído para o Campeonato da Europa de 2004. E fomos. John O‘Shea era o defesa-direito. Há quem teime que Gary Neville jogou nessa pouco invejável posição, mas não. Foi O‘Shea. O primeiro passe que Ronaldo recebeu fez-me gritar: ‘Por amor de Deus, John, fica junto dele!' John encolheu os ombros. Um olhar magoado de desorientação espalhou-se pela sua cara. Os outros jogadores, no banco de suplentes, diziam: ‘C'os diabos, chefe! Que jogador que ele é!' Respondi: ‘Está tudo bem. Têmo-lo controlado.' Como se o negócio já tivesse sido feito há dez anos. Disse ao nosso roupeiro, Albert: ‘Vai ao camarote presidencial e diz ao Kenyon para vir cá abaixo ao intervalo.' E apertei com Peter: ‘Não vamos sair deste estádio sem contratar o rapaz.'

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais