Estados de emergência
João Pereira Coutinho Politólogo, escritor
11 de abril de 2020

Estados de emergência

O ponto de Rio sobre a banca não é económico. É político, ou melhor, populista – uma exploração do medo e do ressentimento dos portugueses contra a figura intemporal do banqueiro comedor. Nesse aspecto, Rio não é muito diferente de António Costa

COM OS SEUS 12.500 MORTOS (no momento em que escrevo), o presidente do Governo espanhol lançou um repto à União Europeia: é preciso "provas de compromisso real" e uma "solidariedade indiscutível". O que é que isto significa, na prática?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais