Do corpo ao manifesto
João Pereira Coutinho Politólogo, escritor
26 de dezembro de 2020

Do corpo ao manifesto

Marcelo despiu-se de preconceitos. António costa não quis ficar atrás. Nas democracias mediáticas, partilhar a intimidade pode render fama e votos. Mas partilhar as intimidades é um passo rumo ao abismo que devemos evitar

A CULPA É DE MARCELO: aqui há uns tempos, o Presidente foi tomar a vacina da gripe e despiu-se de preconceitos – ou, pelo menos, da camisa na hora de ser inoculado. A popularidade do Presidente não sofreu nenhum abalo e até subiu um ponto ou dois.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais