Duas ou três coisas sobre Tancos
Eduardo Dâmaso Director
03 de outubro de 2019

Duas ou três coisas sobre Tancos

O grupo de militares da PJM e da GNR pensou uma coisa espantosa em qualquer Estado de direito. Sonharam que seria possível organizar a recuperação de armas furtadas sem prender os criminosos que as tinham roubado

O que é que o episódio trágico do roubo e "achamento" das armas de Tancos nos mostra? Um grupo de militares da Polícia Judiciária Militar e oficiais da GNR em roda livre e com um profundo desprezo por leis essenciais da organização do País, como o processo penal e a própria Constituição da República. O grupo do coronel Luís Vieira e do major Vasco Brazão pensou uma coisa espantosa em qualquer Estado de direito: sonharam que seria possível organizar a recuperação de armas de guerra furtadas sem apresentar os criminosos que as tinham roubado.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Tópicos Eduardo Dâmaso
Opinião Ver mais