Da TAP à EDP
Eduardo Dâmaso Director
09 de julho de 2020

Da TAP à EDP

Governos frágeis, rodeados de facilitadores dos respetivos partidos que os formaram e formam, têm hipotecado o futuro de sucessivas gerações de portugueses com negócios totalmente ruinosos, como o BPN, Novo Banco, Banif, Cimpor, PT e a TAP

A TAP é apenas a mais recente parcela da fatura de pesadelo que os portugueses carregam às costas. Governos frágeis, rodeados de facilitadores dos respetivos partidos que os formaram e formam, têm hipotecado o futuro de sucessivas gerações de portugueses com negócios totalmente ruinosos, como o BPN, Novo Banco, Banif, Cimpor, PT e a TAP. Estes são apenas os maiores desastres. Pelo meio, há muitos outros de diferentes escalas e com diferentes protagonistas, que vão de governos a autarquias, ou envolvendo o futebol, como foram os estádios do Euro 2004, que f foram construindo uma dívida pública insustentável e um pântano muito fedorento na esfera pública.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais