A memória da PIDE não se apagou
Carlos Rodrigues Lima Subdiretor
14 de janeiro

A memória da PIDE não se apagou

Nesta edição, pode ler a história do maior ataque em democracia a um direito fundamental: a liberdade de imprensa. Mas não espere grandes consequências. No final, todos acabam com "Muito Bom" na avaliação.

Nascido em Outubro de 2005 para protestar contra a "reabilitação urbana" do antigo edifício da PIDE, na Rua António Maria Cardoso, em Lisboa, num condomínio de luxo, o movimento Não Apaguem a Memória bem pode ficar "descansado" que o edifício pode ter desaparecido, mas a memória das práticas da polícia política do regime de Salazar, ainda que ligeiramente adormecida, vai dando sinais de vitalidade.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Opinião Ver mais