Um milagre português
Alberto Gonçalves
21 de março de 2017

Um milagre português

Cá dentro, a coisa marcha: há a campanha para tomar de assalto as instituições independentes, leia-se descrentes e maldosas. E há a ocupação dos media com simpáticos avençados

Na SIC, Miguel Sousa Tavares informou os escassos incrédulos que Portugal tem "o respeito da Europa", que "o chamado milagre económico de 2016 está na moda" e "é comentado em todo o lado" e que isso se notou na "recepção que o primeiro-ministro teve em Berlim", numa "reunião europeia", onde "foi praticamente a vedeta". Só uma correcção: a "reunião europeia" consistiu num encontro de socialistas tão célebres quanto o dr. Costa, ou a convenção de uma Aliança Progressista (?), naturalmente subordinada ao tema da paz. Fora o pormenor, Miguel Sousa Tavares acertou em cheio.

Até um cego é testemunha das proezas perpetradas pelo nosso extraordinário Governo, com o inestimável auxílio de dois partidos leninistas. Pelo mundo fora, cegos e visionários falam exclusivamente do portentoso défice de 2,1%. Pergunto a um amigo americano pela tempestade na costa leste e ele apenas quer conversar sobre o défice. Ligo a uma amiga italiana a propósito da Juventus e ela grita "2,1%!" 27 vezes seguidas. Dizer que estamos na moda é dizer pouco: a vedeta dr. Costa, mais o mago Centeno, mais as meninas do BE e os meninos do PCP gozam hoje do tipo de glamour que banhava Cannes nos idos de 1963. Ou Caracas em 2008. Se acrescentarmos a sabedoria e os bailaricos do prof. Marcelo, nem Cannes – ou Caracas – se nos compara.

Aliás, os números do turismo preparam-se para traduzir o êxtase internacional. Ninguém pense que o aumento previsto da quantidade de visitantes em 2017 se deve à gastronomia, ao clima ou à hospitalidade. Deve-se ao "milagre económico", cuja popularidade ultrapassou o de Fátima em ano de centenário. Cerca de 64% da população do Hemisfério Norte deseja ardentemente conhecer os protagonistas do fenómeno. E o prof. Marcelo promete selfies com todos. Não é à toa que se cozinha um novo aeroporto na Margem Sul e o TGV regressou às prioridades nacionais. Quando foi a última ocasião em que Portugal atraiu assim a atenção da Terra e arredores?

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais