O coronavírus e a crise económica
António Ventinhas Magistrado
25 de março de 2020

O coronavírus e a crise económica

"A despesa pública com o pagamento dos salários daqueles que servem o Estado é visto por determinados sectores da população como algo dispensável. No entanto, o seu trabalho é determinante para a subsistência da sociedade."

A pandemia causada pelo coronavírus irá condicionar a Europa nos próximos anos.

Na semana passada foi decretado o estado de emergência em Portugal, o que não acontecia há mais de quatro décadas. Não se tratou de um exagero de Sua Excelência o Senhor Presidente da República, nem um facto isolado no panorama europeu. A gravidade da situação impõe medidas fora do normal que provavelmente ainda terão de ser mais restritivas nas próximas semanas. Outros países da Europa, como, por exemplo, a Itália, a Espanha, a França, o Luxemburgo, a Suíça, a República Checa, a Roménia, a Bulgária e o estado alemão da Baviera também decretaram o estado de emergência. O Reino Unido que tinha optado inicialmente por uma estratégia menos restritiva já inflectiu por completo a sua orientação e está a fechar estabelecimentos e a solicitar aos seus cidadãos que fiquem em casa.

A propagação do vírus está a impor uma acentuada redução da actividade económica.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login