Proteger e testar
Ana Rita Cavaco
25 de março de 2020

Proteger e testar

Todos os dias amanhecem como se o tempo tivesse parado. Como se continuássemos a viver um pesadelo colectivo, à espera da mão salvadora de quem continua, sem ceder, na linha da frente. Na única linha.

Escrevi, e repito, que a crítica e a análise às falhas devem sucumbir perante o tempo de emergência e combate. No entanto, não me peçam silêncio quando recebo todos os dias, e várias vezes ao dia, centenas de pedidos de ajuda de Enfermeiros que se sentem abandonados e desprotegidos na linha da frente. Falta material de protecção, exige-se que se use dias de férias em quarentena e forçam-se profissionais a gastar banco de horas quando estão de prevenção. Calar-me perante esta total falta de humanidade e respeito seria falhar redondamente aos Enfermeiros e ao País.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui