E se ficarmos sem Enfermeiros?
Ana Rita Cavaco
01 de julho de 2020

E se ficarmos sem Enfermeiros?

No início da pandemia, a guerra entre Países foi pelos equipamentos de protecção individual. Na segunda vaga vai ser por enfermeiros.

O ano lectivo está a terminar. Os estágios estão a chegar ao fim. Até Setembro, cerca de 3000 novos Enfermeiros deixarão as escolas para entrar no mercado de trabalho. Resta saber qual. A Ordem tem recebido vários pedidos internacionais de recrutamento de Enfermeiros portugueses. Holanda, Alemanha e Espanha estão na linha da frente, à espera de contratar o profissionalismo e a excelência que caracteriza os Enfermeiros formados em Portugal.

Para quem não entendeu, eu tento ser ainda mais clara: os países europeus estão de rede estendida sobre os novos Enfermeiros portugueses. Querem levá-los, pagam-lhes o triplo do que recebem em Portugal, prometem-lhes uma carreira, formação e segurança. Tudo aquilo que que por cá, mesmo depois de tudo o que vivemos, o nosso Estado teima em não ser capaz de garantir.

O problema não é de hoje. Nos últimos quatro anos não me cansei de avisar. Temos cerca de 20 mil enfermeiros emigrados numa altura em que precisamos deles como nunca. Todos os dias chegam-nos pedidos de hospitais portugueses. Não há mais. As nossas bolsas de recrutamento estão esgotadas. O desemprego de Enfermeiros está próximo de zero neste momento. As necessidades crescem de dia para dia e a concorrência é cada vez mais forte.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui