Notícia

Rússia

Sergei Skripal, o espião russo que traiu Putin

07.03.2018 07:00 por Susana Lúcio
O espião russo que foi encontrado envenenado no sul de Inglaterra tinha sido condenado em Moscovo acusado de ser espião duplo.
Foto: YURY SENATOROV/EPA
Foto: RTR/Reuters
Foto: YURY SENATOROV/EPA
Foto: NEIL HALL/EPA
Foto: Toby Melville/Reuters
Foto: NEIL HALL/EPA

sergei skripal

As relações diplomáticas entre Londres e Moscovo sofreram um novo abalo depois de, no passado domingo, um ex-espião russo e a sua filha terem sido encontrados envenenados em Salisbury, no Sul de Inglaterra.

Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33 anos, foram encontrados inanimados num banco de jardim e as autoridades suspeitam que tenham sido envenenados por uma substância tóxica que ainda não conseguiram identificar.

Pai e filha estão em estado crítico no hospital e teme-se pelas suas vidas.

Quem é Sergei Skripal

pub

O ex-espião russo era coronel no serviço de informações das forças armadas russas, quando em 2004 foi detido pelo serviço de segurança federal russo (FSB) acusado de ter traído o país e revelado o nome de espiões russos aos serviços de informações britânicos.

Em tribunal, cujas sessões foram secretas, Sergei Skripal admitiu ter revelado o nome de espiões russos ao MI6 em troca de 80.000 euros, que recebeu através de uma conta bancária em Espanha.

Mas, quatro anos depois, em 2010, o ex-espião caído em desgraça foi perdoado pelo então presidente russo, Dmitry Medvedev e fez parte de uma troca de presos entre os Estados Unidos e a Rússia.

Troca de espiões

A maior troca de espiões detidos, desde o fim da Guerra Fria em 1991, aconteceu na pista do aeroporto de Viena, na Áustria. Os aviões, norte-americano e russo, estacionaram lado a lado e Sergei Skripal foi um dos espiões detidos na Rússia trocado por 10 espiões russos detidos por Washington.

pub

Um deles foi Anna Chapman, a russa detida em 2010 acusada de fazer parte de uma operação russa para integrar espiões na sociedade norte-americana e conseguir segredos de estado.

Putin celebrou a chegada destes espiões com canções patriotas. Já Sergei Skripal foi considerado um traidor. Apesar de ser prática comum nestes casos, Sergei não recebeu do governo britânico uma identidade nova nem uma casa - a habitação onde vivia com a filha foi comprada em 2011 e registada no seu nome verdadeiro.  

O ex-espião russo vivia em Salisbury com a filha e os vizinhos dizem que era discreto, mas simpático. "Quando chegou fez uma festa de inauguração da casa e acho que convidou a rua inteira", disse um dos vizinhos, James Puttock, segundo o The Guardian.

Skripal era viúvo e nos últimos anos viu morrer parte da família. A mulher, Liudmila, de 59 anos, morreu de cancro em 2012, pouco depois da chegada do casal ao Reino Unido. Mas nos últimos dois anos, o filho mais velho, de 43 anos, morreu durante uma viagem a São Petersburgo e o irmão mais velho do ex-espião também faleceu.


pub
pub