Notícia

Europa

Sánchez concorda com referendo na Catalunha que não seja sobre independência

03.09.2018 11:57 por Leonor Riso
Para lidar com as tensões na Catalunha, as armas a usar devem ser a "lei e o diálogo", defendeu presidente do governo espanhol.
Pedro Sanchéz
Foto: Reuters
Pedro Sanchéz
Foto: Reuters
Pedro Sanchéz
Foto: Reuters
Carmen Montón
Foto: Getty Images

Pedro Sánchez
Pedro Sánchez, o presidente do Governo de Espanha, afirmou hoje em entrevista que considera a realização de um novo referendo na Catalunha, mas que não seja sobre a independência. A existir, a consulta popular serviria para se votar um novo estatuto da região e para melhorar o governo. "O feito final tem que ser uma votação, mas não pode ser pela independência ou pela autodeterminação, deve ser pelo fortalecimento do governo da Catalunha", defendeu.

Para lidar com as tensões na Catalunha, as armas a usar devem ser a "lei e o diálogo". "Há que acabar com a dinâmica de blocos na Catalunha", defendeu Sánchez. "Fazem falta menos gestos e mais responsabilidade. Não faz sentido que o parlamento da Catalunha permaneça fechado no mês de Setembro."

A 1 de Outubro de 2017, a Catalunha foi palco de um referendo pela independência. Para o governo espanhol, o acto eleitoral aconteceu à revelia e foi marcado por irregularidades, por isso, o resultado - que deu a vitória ao sim - não teve validade. Carles Puigdemont, o presidente catalão, tem sobre si um mandado de detenção europeu e de extradição. Pedro Sánchez não se referiu a Puigdemont, mas frisou que a Catalunha "tem que mostrar vontade de não repetir os erros do Outono de 2017 e o governo de Espanha manifesta a sua vontade de dialogar e não se vai levantar da mesa" de negociações.

"O que está em causa na Catalunha agora não é a independência, mas a convivência. O governo é contra todos os símbolos que dividam", afirmou Sánchez.
pub


pub
pub