Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam

Lusa 12 de janeiro de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 13 a 19 de maio
As mais lidas

Milhares de pessoas saíram às ruas em vários pontos de Espanha. Em algumas das manifestações, os grupos trocaram insultos e atiraram ovos e latas entre si.

O protesto nacionalista convocado pelo partido de extrema-direita Vox reuniu este domingo em diversas cidades de Espanha várias centenas de pessoas, manifestações que decorreram sob vigilância policial, mas também sob insultos e vaias de grupos antifascistas.

Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam
Vox realiza protestos em várias cidades espanholas. Grupos antifascistas responderam

Madrid, Barcelona, Pamplona e Sevilha foram algumas das cidades espanholas em que ocorreram estas manifestações convocadas pelo Vox, sob o lema "Espanha existe".

O partido de extrema-direita, que se tornou nas últimas eleições em Espanha (novembro de 2019) a terceira força política no país com a eleição de 52 deputados, pretendia que os espanhóis se concentrassem hoje junto das câmaras municipais para reclamarem "um Governo que respeite a Constituição e a soberania" e para protestarem contra a formação do executivo PSOE (socialistas) - Unidas Podemos (esquerda), em colaboração com a ERC (Esquerda Republicana da Catalunha).

Em Pamplona, no País Basco, uma centena de pessoas concentrou-se em frente à câmara municipal, exibindo bandeiras de Espanha e cartazes com frases contra o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e o primeiro-ministro, Pedro Sánchez.

Durante a ação, os participantes deram "vivas" a Espanha, à Guarda Civil, à Polícia Nacional e ao Exército, bem como entoaram palavras de ordem em defesa da liberdade e da Constituição, segundo relatou a agência espanhola EFE.

No decorrer da ação nacionalista, um grupo de jovens do coletivo Euskal Herria Antifaxista aproximou-se do local e começou a trocar insultos com os apoiantes do Vox, entre os quais estavam alguns dirigentes locais do partido de extrema-direita.

Agentes da unidade anti-motim da Polícia Nacional conseguiram criar uma barreira entre os dois grupos rivais, que ficaram separados a uma distância de poucos metros, mas não conseguiram impedir a troca de insultos e de vaias.

"Sem arma, não são nada", gritaram os apoiantes do Vox, com os jovens do movimento antifascista a responderem: "Sem escolta, não são nada".

Apesar de momentos mais tensos, a concentração acabaria sem incidentes.

Na capital espanhola, Madrid, milhares de pessoas marcaram presença no protesto do Vox, incluindo o líder do partido, Santiago Abascal, que leu o manifesto da força política.

Segundo fontes da polícia local, a manifestação reuniu cerca de 3.500 pessoas.

"Bando golpista, partido socialista" ou "Se nota, se sente, Espanha está presente" foram algumas das frases de ordem entoadas pelos manifestantes, a maioria munidos com a bandeira nacional.

Durante a sua intervenção, Santiago Abascal pediu a detenção do ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, e do atual líder do executivo catalão, Quim Torra, medida apoiada pela multidão, que reagiu de forma efusiva.

No final, e antes do hino nacional ser entoado, Abascal despediu-se da multidão com "vivas" a Espanha e ao rei Felipe VI.

A concentração em Madrid acabaria sem incidentes, segundo a EFE.

Já em Barcelona, na Catalunha, a polícia local (os Mossos d'Esquadra) estabeleceu um cordão policial para separar os manifestantes do Vox e do Comité de Defesa da República (CDR, independentista).

O protesto convocado pelo Vox juntou cerca de mil pessoas junto da câmara municipal de Barcelona, enquanto a contra-manifestação promovida pelo CDR reuniu cerca de 300.

Apesar do cordão policial, os manifestantes lançaram, entre si, ovos e latas e trocaram frases insultuosas.

A EFE relatou que na Andaluzia também alguns milhares de pessoas responderam à convocação do Vox e participaram em manifestações em várias cidades.

Uma das concentrações na região da Andaluzia que reuniu mais pessoas, cerca de 3.000, aconteceu em Sevilha.

O cartaz da convocatória deste protesto nacionalista do Vox suscitou polémica, uma vez que mostrava um mapa de toda a Península Ibérica e mostrava Portugal como pertencendo a Espanha.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais