Reformado apanha 4 autocarros para ir a marcha contra racismo na Nova Zelândia

Carolina R. Rodrigues 27 de março de 2019

O neozelandês de 95 anos, que combateu na Segunda Guerra Mundial, visitou duas mesquitas e participou na marcha contra o racismo realizada em Auckland.

Um pensionista de 95 anos apanhou quatro autocarros para poder juntar-se aos manifestantes de uma marcha contra o racismo e islamofobia em Auckland, na Nova Zelândia.

John Sato, veterano da Segunda Guerra Mundial, explicou ao Radio New Zeland que não conseguiu dormir bem desde o tiroteio em Christchurch, no qual morreram 50 pessoas a 15 de março. Por isso, decidiu começar a visitar mesquitas no país para demonstrar o seu apoio.

"Passei uma grande parte da noite acordado e não tenho dormido muito bem desde então. Pensei que era muito triste: consegue-se sentir o sofrimento das outras pessoas", confessou o neozelandês. "Penso que é uma tragédia, mas mesmo assim tem outro lado. Aproximou as pessoas umas das outras. Não importa a sua nacionalidade ou nada. As pessoas aperceberam que somos só um e que queremos saber uns dos outros", disse.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais