Libertadas 20 pessoas, entre elas portugueses, que viviam confinadas em restaurante de Madrid

Lusa 24 de abril de 2020
As mais lidas

Viviam em condições sub-humanas e eram forçadas a pagar 400 euros por mês para morar num espaço de um metro e meio.

A polícia espanhola libertou cerca de vinte pessoas, incluindo portugueses, que viviam confinados num restaurante de Madrid em condições sub-humanas e que eram forçadas a pagar 400 euros por mês para morar num espaço de um metro e meio.

Ruas de Madrid desertas durante pandemia de coronavírus
Ruas de Madrid desertas durante pandemia de coronavírus

A investigação começou quando agentes detetaram que as pessoas residiam dentro deste estabelecimento comercial, que havia cessado a sua atividade. Numa inspeção local, encontraram cidadãos de Portugal, Espanha, Bangladesh, Colômbia, Filipinas, Honduras, Peru e Venezuela.

Na sua página, a polícia espanhola divulgou um vídeo da operação.

A carregar o vídeo ...

A proprietária do restaurante e o proprietário do imóvel foram detidos e acusados dos crimes de favorecimento de imigração irregular, coerção e contra a saúde pública, disse hoje fonte da polícia espanhola.

No restaurante, localizado no bairro de San Blas, em Madrid, cerca de vinte pessoas moravam em espaços de apenas metro e meio, separadas por plástico ou papelão, incluindo dois bebés com menos de um ano de idade.

Estas pessoas pagavam 400 euros por mês e, quando não conseguiam realizar o pagamento, eram submetidos a coação, impedidos de aceder aos serviços básicos, forçavam-nos a dormir em espaços ainda mais pequenos, tendo sido ameaçados de serem infetados com o novo coronavírus.

As pessoas viviam dentro do estabelecimento em condições insalubres, amontoados em espaços muito pequenos e inadequados para a habitabilidade, detalhou a polícia.

Os responsáveis instalaram colchões no balcão do bar, na cozinha ou no quintal, separando cada "quarto" por papelão ou plástico.

No caso de não poder pagar o aluguer, impedia-os de aceder aos suprimentos básicos e transferia-os para espaços ainda menores, como banheiros pequenos ou até uma sala fria.

Além disso, para intimidar ainda mais as vítimas, a proprietária do restaurante disse que era portadora do novo coronavírus e tossia e espirrava em pratos e outros itens quando estavam na hora das refeições.

O proprietário do imóvel também estava ciente das práticas da dona do restaurante, pelo que também foi detido.

A polícia detalhou que a investigação ainda está aberta e a existência de outras pessoas envolvidas não é descartada porque algumas das vítimas trabalhavam num hostel.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Artigos Relacionados
Opinião Ver mais