Iraque pede a ONU que condene ataque norte-americano

Lusa 07 de janeiro de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 21 a 27 de janeiro
As mais lidas

O pedido surge numa carta enviada às Nações Unidas. O Iraque quer que a ONU condene o homicídio de Qassem Soleimani e do tenente Abu Mehdi al-Muhandis.

O Iraque pediu na segunda-feira, em carta enviada às Nações Unidas, que o Conselho de Segurança condene a operação dos Estados Unidos que matou o general iraniano Qassem Soleimani, para impedir a degradação das relações internacionais.

Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
Ali Khamenei chora caixão soleimani
De acordo com a missiva enviada pelo embaixador do Iraque na Organização das Nações Unidas (ONU), obtida pela France-Presse, a operação norte-americana em território iraquiano, em 4 de janeiro, que matou Qassem Soleimani e o tenente iraquiano Abu Mehdi al-Muhandis ("número dois" da coligação de grupos paramilitares pró-iranianos no Iraque Hachd al-Chaab), "representa uma agressão ao povo e ao Governo do Iraque".

A "flagrante violação das condições ligadas à presença das forças norte-americanas no Iraque" pode levar a uma "escalada perigosa" das tensões e "uma guerra devastadora no Iraque, na região [do Médio Oriente] e no mundo", prossegue a carta.

O Iraque pede, por isso, ao Conselho de Segurança da ONU que "cumpra as suas responsabilidades e garanta que aqueles que cometeram essas violações, que violam não apenas os direitos humanos, mas também o direito internacional", sejam "responsabilizados".

No documento de três páginas, o embaixador do Iraque na ONU não pede explicitamente uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre este assunto, mas, apesar de o país não ser membro do Conselho, pode solicitar uma reunião através de um dos 15 países que compõem o órgão.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas é atualmente composta por cinco membros permanentes – Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido e França — e por 10 membros temporários — Bélgica, República Dominicana, Estónia, Alemanha, Indonésia, Nigéria, São Vicente e Granadinas, África do Sul, Tunísia e Vietname.

Esta missiva segue o anúncio, no domingo, do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraquiano de uma queixa à ONU. Também na segunda-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou que as tensões diplomáticas estão "ao nível mais elevado" do século.

"Parem a escalada [da tensão]. Exercitem ao máximo a contenção. Recomecem o diálogo. Renovem a cooperação internacional", apelou Guterres.

A situação na região do Médio Oriente está particularmente tensa desde a morte do general Qassem Soleimani, ordenada pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O ataque ocorreu três dias depois de um ataque inédito à embaixada norte-americana que durou dois dias e só terminou quando Trump anunciou o envio de mais 750 soldados para o Médio Oriente.

O Irão prometeu vingança e anunciou no domingo que deixará de respeitar os limites impostos pelo tratado nuclear assinado em 2015 com os cinco países com assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas — Rússia, França, Reino Unido, China e EUA — mais a Alemanha, e que visava restringir a capacidade iraniana de desenvolvimento de armas nucleares. Os Estados Unidos abandonaram o acordo em maio de 2018.
Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana.
Boas leituras!
Opinião Ver mais