Exército do Japão pediu uma escrava sexual para cada 70 soldados durante II Guerra Mundial

Lusa 08 de dezembro de 2019
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 4 a 10 de março
As mais lidas

As mulheres eram da Coreia do Sul, Taiwan, Austrália, Filipinas e Japão e os documentos agora divulgados sublinham o papel do Estado no chamado sistema de "mulheres de conforto".

O exército do Japão durante a Segunda Guerra Mundial pediu ao governo que fornecesse uma escrava sexual para cada 70 soldados, de acordo com documentos históricos analisados pela agência de notícias nipónica Kyodo News.

Hirohito  exército japao II GM
Hirohito exército japao II GM CORBIS/Corbis via Getty Images

Os 23 documentos foram reunidos pela Secretaria do Gabinete do Japão entre abril de 2017 e março de 2019, incluindo 13 despachos secretos dos consulados japoneses na China para o Ministério das Relações Exteriores em Tóquio, datados de 1938, segundo a Kyodo.

A questão das escravas sexuais tem sido fonte de uma dolorosa disputa entre a Coreia do Sul e o Japão. As mulheres eram da Coreia do Sul, Taiwan, Austrália, Filipinas e Japão e os documentos agora divulgados sublinham o papel do Estado no chamado sistema de "mulheres de conforto".

Em 1993, o então secretário-chefe do Gabinete Yohei Kono, o porta-voz do Governo, pediu desculpas pelo sistema de "mulheres de conforto" e reconheceu o envolvimento dos militares japoneses no transporte das mulheres contra a sua vontade.

A Kyodo deu conta de um despacho do cônsul-geral de Jinan (China) ao ministro dos Negócios Estrangeiros no qual se indica que a invasão japonesa causou um aumento na prostituição na área, com 101 gueixas do Japão, 110 mulheres de conforto também do Japão e 228 "mulheres de conforto" da Coreia do Sul.

No despacho assinala-se que "pelo menos 500 'mulheres de conforto' devem estar concentradas aqui até o final de abril" para os soldados japoneses.

Os registos sugerem que as mulheres referidas como gueixas podem ter surgido por conta própria, em oposição às escravas sexuais, que foram coagidas.

Outro despacho do cônsul-geral de Qingdao, na província de Shandong, na China, diz que o Exército Imperial pediu uma mulher para cada 70 soldados, enquanto a marinha solicitou mais 150 mulheres e gueixas para "conforto", noticiou a Kyodo.

O número de escravas sexuais não é certo, mas os historiadores dizem que eram dezenas de milhares ou mais, e seu objetivo era impedir a propagação de doenças e reduzir as violações entre soldados.

A colonização e os registos de guerra do Japão continuam a prejudicar as relações com os vizinhos asiáticos.

O Governo japonês diz que as reparações de guerra estão resolvidas, mas criou fundos para apoiar as vítimas. Isso teve resultados mistos, com exigências contínuas de um pedido de desculpas mais completo. E existem processos em tribunal que prosseguem na Coreia do Sul.

Mais recentemente, as relações entre o Japão e a Coreia do Sul deterioraram-se e afetaram o comércio e o turismo e desencadearam outras controvérsias, incluindo uma no início deste ano sobre a exibição de uma estátua representando uma jovem "mulher de conforto".

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais