Europa regista número recorde de casos de sarampo no 1.º semestre

Lusa 20 de agosto de 2018
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 14 a 20 de outubro
As mais lidas

Segundo a Direcção-Geral de Saúde, em pessoas vacinadas a doença pode, eventualmente, surgir com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso.

Doente com sarampo
Sarampo manifesta-se através do aparecimento de manchas no corpo
sarampo, papeira, preocupação, ISN, Inquérito Serológico Nacional, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge
sarampo, saúde, vacinas, surto, vacina, contágio
Doente com sarampo
Sarampo manifesta-se através do aparecimento de manchas no corpo
sarampo, papeira, preocupação, ISN, Inquérito Serológico Nacional, Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge
sarampo, saúde, vacinas, surto, vacina, contágio

A Europa registou, no primeiro semestre deste ano, 41 mil casos de sarampo, um número superior ao de qualquer outro ano desta década, alertou esta segunda-feira a unidade europeia da Organização Mundial de Saúde.

O recorde anual tinha sido registado no ano passado, quando foram contabilizados 23.927 casos, avança a Organização Mundial de Saúde (OMS) num relatório que inclui 53 países da região europeia (os 28 da União Europeia, a Rússia e a Europa de Leste), com uma população aproximada de 900 milhões de habitantes.

O número mais baixo, adianta, foi registado em 2016, quando os casos de sarampo contabilizados se ficaram pelos 5.273.

Entre Janeiro e Junho deste ano, sete países registaram mais de 1.000 infectados: França, Grécia, Itália, Rússia, Sérvia, Geórgia e Ucrânia, tendo este último sido líder destacado, com mais de 23 mil casos.

Os relatórios mensais dos Estados-membros referem 37 mortes por sarampo este ano, sendo a Sérvia o país mais afectado, com 14 casos.

A directora regional da OMS, Zsuzsanna Jakab, considerou o aumento de casos "dramático" e apelou a todos os países da zona europeia para que apliquem, de imediato, "medidas apropriadas ao contexto para evitar que a doença se propague ainda mais".

"A saúde de todos começa com a imunização", lembrou.

A OMS sublinhou que o vírus do sarampo é "extremamente contagioso" e é transmitido com rapidez entre pessoas susceptíveis, sublinhando que, para prevenir surtos, é necessário, pelo menos, uma cobertura de imunização de 95%, com duas doses de vacina a cada ano, em cada comunidade.

Além disso, refere, é essencial conseguir chegar e vacinar crianças, adolescentes e adultos que não foram vacinados de forma sistemática no passado.

Embora a cobertura da vacina tenha passado, no último ano, de 88% para 90% das crianças em idade de vacinação, continuam a existir grandes diferenças a nível local, alerta a OMS, que refere existirem comunidades com 95% de cobertura e outras que ficam abaixo dos 70%.

De acordo com os últimos números da Comissão Regional Europeia para a verificação da eliminação do sarampo e da rubéola, 43 dos 53 países membros já interromperam a transmissão endémica do sarampo.

Portugal registou este ano, um surto de sarampo na região Norte, tendo sido confirmados 112 casos entre Fevereiro e Abril, 103 dos quais com ligação ao hospital de Santo António, no Porto. Todos os casos foram curados.

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) recomenda aos portugueses que verifiquem o seu boletim de vacinas e se vacinem caso seja necessário, e para ligarem para o número 808 24 24 24 se estiveram em contacto com um caso suspeito de sarampo ou tiverem dúvidas.

Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença.

A vacina contra o sarampo faz parte do Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e aos cinco anos.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais