Covid-19: Venezuela regista maior número de casos em 24 horas, após 70 dias de quarentena

Lusa 25 de maio de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 13 a 19 de maio
As mais lidas

Maioria dos novos casos foram importados da vizinha Colômbia, por pessoas entraram no país por fronteiras terrestres.

A Venezuela registou, no domingo, 111 novos casos da covid-19 em 24 horas, elevando para 1.121 o número de contágios, após 70 dias de quarentena.

Reuters

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse que 73 dos novos casos foram importados da vizinha Colômbia, por pessoas entraram no país por fronteiras terrestres, nos estados de Apure, Táchira e Zúlia.

O número de pessoas que recuperaram da doença é de 262 e há dez mortes associadas à covid-19.

Nicolás Maduro voltou a acusar o homólogo colombiano, Iván Duque, de ter um plano para infetar com a covid-19 a Venezuela, através de venezuelanos que regressaram da Colômbia.

"Está provado que os autocarros foram contaminados, para que os venezuelanos regressem doentes ao país. É uma ordem de Iván Duque. A Venezuela é um país assediado pela maldade", disse Maduro à televisão estatal venezuelana.

Por outro lado, o chefe de Estado venezuelano alertou que apenas 60% da população está a cumprir a quarentena social preventiva da covid-19.

"As pessoas, depois de tantas semanas, saíram para realizarem atividades, para a vida económica da mesma família", explicou.

Apesar do aumento de casos no país, Maduro e a vice-Presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, indicarem que estão a avaliar medidas para flexibilizar a quarentena.

A imprensa venezuelana noticiou que as novas medidas vão incluir, além do uso obrigatório de máscara, o uso de óculos e a imposição de andar de cabelo apanhado na rua.

Os autocarros deverão circular com as janelas abertas e com vários lugares de separação entre passageiros. Os venezuelanos deverão extremar as medidas de segurança ao chegar a casa.

Entretanto, as autoridades do estado venezuelano de Táchira, a 800 quilómetros a oeste de Caracas, encerraram por tempo indeterminado o popular Mercado das Pulgas, alegadamente por ter sido detetado "um foco de contágio" da covid-19.

Na quarta-feira, Maduro tinha acusado Iván Duque de ter dado ordens "para contaminar a Venezuela" com a covid-19, de acordo com a agência de notícias espanhola EFE.

O alegado plano passaria por "trazer venezuelanos infetados" a viver na Colômbia de volta ao país.

O Presidente venezuelano sustentou ainda que "bandos organizados" do lado colombiano da fronteira "estão a passar estes venezuelanos por passagens informais", tendo pedido a ajuda da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) nesta zona.

Cinco milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos seis anos, para fugir à crise económica, tendo cerca de 50 mil regressado ao país durante a epidemia, de acordo com os dados oficiais.

A Venezuela está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar "decisões drásticas" para combater a epidemia. O estado de alerta está em vigor até o próximo 13 de junho.

Desde 16 de março que os venezuelanos estão em quarentena e impedidos de circular livremente entre os vários estados do país.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 343 mil mortos e infetou mais de 5,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de dois milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais