Covid-19. Matadouro que provocou 1.500 infeções na Alemanha pediu ajuda ao governo

Covid-19. Matadouro que provocou 1.500 infeções na Alemanha pediu ajuda ao governo
Diogo Camilo 13 de julho de 2020

Ministros alemães dizem "não ter simpatia" para com a empresa Tonnies, que obrigou ao confinamento da região com mais de 600 mil pessoas durante duas semanas. Mas lei permite que empresas lesadas peçam apoios do Estado.

O matadouro alemão que provocou mais de 1.500 infeções de trabalhador por covid-19 no município de Gütersloh está no centro de uma polémica na Alemanha, depois de ter pedido apoios do governo para cobrir os salários de funcionários. O surto no matadouro Toennies em junho levou ao isolamento da região, que tem uma população com cerca de 600 mil pessoas, durante duas semanas.

Na sexta-feira, a empresa privada que tem cerca de 16.500 trabalhadores nos quadros e sete mil milhões de euros de receitas anuais pediu apoios financeiros do governo da Renânia do Norte-Vestefália, o segundo maior estado da Alemanha e o mais populoso, para pagar a trabalhadores que tivessem ficado em quarentena mas não tivessem sido infetados.

Entre os trabalhadores da empresa infetados estiveram três portugueses. Nenhum deles teve de ser hospitalizado e os três ficaram a recuperar em casa.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais