Coronavírus em Espanha. Testes rápidos comprados à China não funcionam bem

Coronavírus em Espanha. Testes rápidos comprados à China não funcionam bem
Mariana Branco 26 de março de 2020

Testes rápidos com os quais o governo espanhol pretendia testar uma maior percentagem da população têm uma sensibilidade de 30% quando deveria ser superior a 80%. Já morreram mais de 3 mil pessoas no país.

Os aguardados testes rápidos ao novo coronavírus que Espanha comprou à China, e com os quais o governo pretendia começar a testar uma maior percentagem da população para saber qual é a dimensão real do contágio no país, não funcionam bem. De acordo com o El País, vários laboratórios de microbiologia de grandes hospitais espanhóis testaram estes kits e perceberam que "não detetam os casos positivos como era esperado", disse fonte que participou nas provas. 

Estes testes rápidos, fabricados pela empresa chinesa Bioeasy, têm uma sensibilidade de 30% quando esta deveria ser superior a 80%. "Com este valor não faz sentido usar estes testes", assegurou um microbiologista ao jornal espanhol. 

Os testes ao novo coronavírus que são atualmente utilizados pelos hospitais espanhóis requerem equipamento específico e os resultados demoram até quatro horas. Estes testes rápidos, por outro lado, funcionam de forma semelhante aos testes de gravidez e detetam o vírus entre 10 a 15 minutos.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais