Administração Trump aposta em técnicas musculadas de interrogatório

Nuno Paixão Louro 21 de novembro de 2016

A nova equipa de segurança nacional norte-americana pode estar a preparar o regresso da implementação de tortura e métodos de vigilância banidos no passado

Logo após o 11 de Setembro de 2011, a segurança nacional dos Estados Unidos recorreu a técnicas duras de interrogatório para arrancar confissões dos suspeitos de terrorismo, como por exemplo o waterboarding (uma tortura com água que dá a sensação de afogamento). Bush acabou por bani-las e Obama aboliu qualquer tipo de tortura nas prisões americanas.

Com a eleição de Donald Trump para a presidência e, sobretudo depois de serem conhecidos os primeiros nomes da equipa que assegurará a segurança nacional, o regresso dos métodos de tortura ou do recurso a prisão por tempo indeterminado, sem julgamento, volta a estar na ordem do dia.



Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais