Notícia

Mundo

O que fazem agora os irmãos Turpin? Lêem Harry Potter e não só

23.02.2018 19:11 por Leonor Riso
Primeiro, quem trata deles não os chama desta maneira: foram apelidados de “Os 13 Magníficos”.
Foto: Reuters
Foto: Reuters
Foto: Reuters
Foto: Reuters
Foto: Reuters

Turpin

Têm entre os dois e os 29 anos de idade e há mais de um mês, escaparam a uma vida de tortura, cometida pelos pais, Louise e David Turpin. Os 13 irmãos viviam presos numa casa em Perris, Califórnia. Eram agredidos e passavam fome. Agora, parecem estar a recuperar.

Quem o diz à revista People é o advogado Jack Osborn, que representa os sete irmãos mais velhos. Hoje em dia, tomam decisões por eles próprios, o que não acontecia. "É uma nova experiência para eles, entenderem que têm direitos e que têm uma voz", relata. "É muito importante, decidirem o que vão ler, o que vão usar, são todas decisões que as pessoas fazem no dia-a-dia e que para eles, são novas, e fazem-nos sentir mais poder."

Os irmãos mais velhos experimentaram usar tablets e estão a ler livros da saga Harry Potter. Quem o conta é um membro da Câmara de Corona, Califórnia. Karen Spiegel tem acompanhado o trabalho das enfermeiras junto destes sete sobreviventes. São "miúdos gentis e amorosos, e mesmo que sejam adultos, continuamos a chamar-lhes miúdos; só têm de crescer um bocadinho. Estão um pouco atrasados na corrida, mas vão conseguir recuperar".

E adianta: "Estão a progredir bem, e a pensar no futuro, a considerar onde podem chegar as suas vidas e têm um bom sistema de apoio."

pub

Os sete irmãos mais velhos vivem num centro médico que foi adaptado para se sentirem melhor. Têm uma área onde podem brincar ao ar livre. Manifestaram o desejo de ir à praia, caminhar nas montanhas e ver filmes no cinema.

Depois de os médicos lhes darem alta, pretendem ir para a faculdade e prosseguir com as suas carreiras. Vão testemunhar contra os pais em tribunal.

As seis crianças mais jovens estão separadas dos irmãos, mas todos comunicam através do Skype.

David e Louise Turpin foram presos a 14 de Janeiro. São acusados de tortura, abuso e falso sequestro. 


pub
pub