Bebop em família: The Eddy na Netflix

Série do autor de La La Land arranca com um episódio triunfante e é deveras recomendável, especialmente para fãs de jazz

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 15 a 21 de abril
As mais lidas GPS
Bebop em família: The Eddy na Netflix
Pedro Marta Santos 13 de maio de 2020
DR

O primeiro episódio é magnífico. Elliot Udo (André Holland, de The Knick de Steven Soderbergh e Moonlight de Barry Jenkins), músico de grande talento cuja vida e carreira foram mutiladas pela morte do filho pequeno, luta para manter aberto o clube de jazz em Paris que partilha com Farid (Tahar Rahim, de Um Profeta de Michel Audiard e O Passado de Ashgar Farhadi), trompetista bonacheirão que poderá ter mais segredos do que se supõe. Julie (Amandla Stenberg, vedeta teen norte-americana que já foi capa da Time), a filha inquieta e revoltada de Elliot – houve problemas em Nova Iorque com a mãe e, sobretudo, o padrasto – chega para uma breve temporada em França, e há traficantes russos de bebidas a causar problemas por falta de pagamento. Este é o cenário íntimo das personagens mas Chazelle, o prodígio que se tornou o mais jovem realizador de sempre a arrebatar o Óscar de Melhor Realizador aos 32 anos, injeta a intriga relativamente convencional de um contagiante desprendimento jazzístico.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
A Newsletter Semanal Gps no seu e-mail
A GPS indica-lhe as melhores sugestões de fim de semana. Receba todas as semanas no seu email. (Enviada semanalmente)