Valter Hugo Mãe: "A felicidade é ofensiva e insuportável"

O poeta de Caxinas voltou à poesia com uma colectânea de alguns dos seus poemas favoritos. Foram oito anos afastados do verso que ajudaram a tornar os poemas mais fortes. E Valter Hugo Mãe continua a querer um filho

Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 30 de junho a 6 de julho
As mais lidas GPS
Valter Hugo Mãe: 'A felicidade é ofensiva e insuportável'
Diogo Barreto 08 de abril de 2018

Foi aclamado como o novo arauto da literatura portuguesa quando, em 2007, ganhou o Prémio Literário José Saramago com O Remorso de Baltazar Serapião. Antes desse romance, contudo, tinha já publicado nove livros de poesia. Desde então publicou mais cinco obras em verso mas, subitamente, em 2010, deixou de editar a sua poesia. Oito anos depois surge uma compilação - Publicação da Mortalidade - com alguns dos seus poemas e textos inéditos. Continua sem filhos, deixou crescer a barba e mantém-se ao mesmo tempo expansivo e ponderado nas respostas. Valter Hugo Mãe está de volta à poesia.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
A Newsletter As Mais Lidas no seu e-mail
Às Sextas-Feiras não perca as notícias mais lidas da semana