Empresa bracarense que dá férias tropicais fixa salário mínimo em 800 euros

Jornal de Negócios 08 de janeiro

O departamento de felicidade do grupo Bernardo da Costa oferece também aos seus trabalhadores serviços de lavandaria no local de trabalho e de entrega de comida ao domicílio, entre outros benefícios.

O grupo bracarense Bernardo da Costa, que emprega 194 pessoas, das quais 86 em Portugal, tornou-se conhecido dos portugueses por oferecer aos seus trabalhadores a laborar em território nacional férias, durante uma semana, em destinos paradisíacos. O patrão, Ricardo Costa, já os levou a Punta Cana, na República Dominicana, a Cuba, ao México, à Jamaica e a Cabo Verde.

Entretanto criou um departamento da felicidade, que tem vindo a “mimar” o seu pessoal com uma série de outros benefícios, como seguro de saúde, dia de aniversário, uma sala de diversões (com bilhar, matraquilhos e consola de videojogos), dias temáticos (como o dia do croissant, o de pastel de nata e do gelado). Mais: também oferece serviço de lavandaria no local de trabalho e até o de entrega de comida ao domicílio.

Agora, tendo o Governo estabelecido a meta de 2023 para colocar o salário mínimo nos 750 euros – valor que a Bernardo da Costa antecipou para 2020 – o grupo sediado em Braga decidiu superá-la em plena pandemia e estado de emergência, pondo em prática, a partir de janeiro deste ano, o ordenado mínimo de 800 euros.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Opinião Ver mais