À frente de Mbappé na juventude, só Bergomi e Pelé

Diogo Camilo com Leonor Riso 15 de julho de 2018

Quando o avançado de 19 anos pisar o relvado do Luzhniki frente à Croácia tornar-se-á no terceiro mais novo de sempre a jogar a final de um Mundial.

De uma infância nos subúrbios de Paris para os grandes palcos da Rússia, Kylian Mbappé tem sido a grande história de sucesso deste Campeonato do Mundo. O avançado francês tem batido recordes apesar da sua tenra idade e, quando pisar o relvado do Estádio Luzhniki para defrontar a Croácia, tornar-se-á no terceiro jogador mais novo de sempre a jogar a final de um Mundial, com apenas 19 anos e 214 dias.

O rapaz que cresceu a ver vídeos de Cristiano Ronaldo na Internet carrega agora um conjunto de estrelas gaulesas a um título mundial que foge desde 1998, ano em que França organizou o torneio. Filho de pai camaronês e mãe argelina, chegou à prova como "revelação por demonstrar" e tem respondido à altura com três golos em seis jogos – dois deles frente à Argentina de Messi.

Num Mundial com a média de idades mais superior de sempre – os jogadores convocados pelas selecções a terem uma idade por volta dos 28 anos -, Mbappé é a "lufada de ar fresco" que o futebol precisa, numa era em que Ronaldo e Messi começam a decair na sua produção devido, precisamente, à idade.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Investigação
Opinião Ver mais