Covid-19: Sindicatos da construção civil pedem estratégia global e dizem que testes não bastam

Lusa 07 de junho de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 15 a 21 de abril
As mais lidas

Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro diz que os trabalhadores estão a desempenhar o seu ofício "com total ausência de equipamentos de proteção individual e higiene".

A federação de sindicatos da construção civil considerou hoje que "é urgente" uma "estratégia global que defenda a saúde" dos trabalhadores do setor, assinalando que os testes de despistagem à covid-19 "não bastam".

coronavirus virus
coronavirus virus Direitos Reservados

Em comunicado, a Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (Feviccom) refere que os trabalhadores da construção civil têm continuado, "na maioria dos casos", a desempenhar o seu ofício "com total ausência de equipamentos de proteção individual e higiene", como máscaras, luvas e gel desinfetante.

De acordo com a Feviccom, também não é cumprido o distanciamento físico mínimo, recomendado pelas autoridades de saúde, nas obras e nos transportes privados das empresas.

Para a estrutura sindical, afeta à CGTP-In, os rastreios à covid-19 dos trabalhadores da construção civil "são essenciais, mas não bastam".

"Exige-se uma estratégia global, que tenha em conta as propostas dos sindicatos do setor, que defenda a saúde dos trabalhadores, que garanta a implementação e manutenção de procedimentos de segurança e de higiene nos locais de trabalho pelas entidades patronais e a defesa do emprego, dos salários e dos direitos", escreve a Feviccom.

A Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro adianta que pediu hoje "reuniões urgentes" à ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, à inspetora-geral do Trabalho, Luísa Guimarães, à Direção-Geral da Saúde e à Federação Portuguesa da Indústria da Construção e Obras Públicas (Fepicop).

Representantes dos sindicatos que fazem parte da Feviccom reúnem-se na terça-feira, no Porto, para abordar eventuais "novas ações e medidas a tomar".

O coordenador regional de Lisboa e Vale do Tejo para o combate à covid-19, Duarte Cordeiro, disse hoje que a Autoridade para as Condições do Trabalho vai reforçar, a partir da próxima semana, a fiscalização no setor da construção civil nos concelhos onde se tem registado maior incidência de casos de infeção.

Segundo Duarte Cordeiro, que também é secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, os "dados preliminares" dos testes de rastreio feitos "em larga escala" na região de Lisboa e Vale do Tejo indicam uma percentagem de infetados na construção civil significativa.

Em Portugal, morreram 1.479 pessoas das 34.693 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde divulgado hoje.

Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região do país com mais casos diários de infeção por covid-19, com 75% dos 342 novos casos hoje reportados.

Os cinco concelhos da região com mais infetados são Lisboa, Sintra, Loures, Amadora e Odivelas.

Segundo a ministra da Saúde, Marta Temido, dos 255 novos casos registados na região de Lisboa e Vale do Tejo, 101 provêm da operação de rastreio na Área Metropolitana de Lisboa.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais