Covid-19: Setor das escolas de condução pede apoio ao Governo para retomar atividade

Lusa 24 de abril de 2020
As mais lidas

Associação pede ao Governo um reforço das medidas de apoio, nomeadamente a criação de linhas de crédito com condições mais favoráveis.

A Associação Nacional de Escolas de Condução Automóvel alertou, esta sexta-feira, para o impacto da covid-19 no setor e pediu ao Governo um reforço das medidas de apoio, nomeadamente a criação de linhas de crédito com condições mais favoráveis.

Menor a conduzir a 220 quilómetros por hora
Menor a conduzir a 220 quilómetros por hora

"Não é possível quantificar os prejuízos que a atual crise implica para o setor do ensino da condução, que já se encontra sobre-endividado. Estima-se que os efeitos da crise se prolonguem por vários meses", diz à associação, em comunicado.

A Associação Nacional de Escolas de Condução Automóvel no Continente e Regiões Autónomas (ANIECA) refere que a decisão de suspender toda a atividade deste setor está a afetar 900 empresas, que detêm 1.300 escolas de condução em todo o país.

"Na maioria microempresas com menos de cinco trabalhadores, que se estima empregarem, pelo menos, 5 mil pessoas (trabalhadores e sócios-gerentes", sublinha a ANIECA.

No sentido de "reiniciar a atividade", a ANIECA defende que as empresas que detêm escolas de condução "necessitam, urgentemente, de apoios concretos e imediatos".

Uma das medidas defendidas é a criação de uma linha de crédito "desburocratizada e com condições favoráveis", uma vez que consideram que as existentes "são demasiado onerosas".

A isenção durante este ano dos pagamentos por conta, a suspensão do pagamento do Imposto Único de Circulação relativo aos veículos licenciados para instrução até 180 dias e outros alívios fiscais são igualmente propostas defendidas pelo setor.

"Nesta fase difícil, as escolas de condução clamam por ajuda junto dos poderes públicos para poderem retomar o trabalho", conclui a nota.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia da covid-19 já provocou mais de 200 mil mortos e infetou mais de 2,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 720 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 854 pessoas das 22.797 confirmadas como infetadas, e há 1.228 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais