Covid-19: Sono, exercício e alimentação podem ajudar a gerir o stress

Lusa 21 de maio de 2020
Sábado
Leia a revista
Em versão ePaper
Ler agora
Edição de 13 a 19 de maio
As mais lidas

Segundo o especialista em fisiologia José Soares o isolamento, a pressão social, o teletrabalho, o medo e a incerteza são fatores que deixam o "cérebro confuso".

O especialista em fisiologia José Soares afirmou hoje que preparar o sono, fazer exercício, ter momentos de relaxamento e alimentação equilibrada são algumas das atividades que podem ajudar a gerir o 'stress' e pressão causados pela pandemia da covid-19.

mulher dormir, cama, costas, xxx
mulher dormir, cama, costas, xxx

Reunido hoje numa videoconferência para abordar o impacto que a pandemia tem causado na população portuguesa, especialmente ao nível do 'stress' e ansiedade, José Soares, professor catedrático em fisiologia da Universidade do Porto, afirmou que "a aceitação é fundamental".

"Temos de aceitar que estamos numa fase difícil, compreender o que estamos a sentir e perceber que é normal", salientou o fisiologista, tentando dar resposta às dúvidas de alguns dos participantes.

"Como lidar com a pressão?", "Como gerir o 'stress' do dia-a-dia e a rotina?", "De que forma podemos impactar a nossa performance?", foram algumas das questões-chave da sessão.

Segundo José Soares, o isolamento, a pressão social, o teletrabalho, o medo, a incerteza e a falta de referências são fatores que contribuem para o fraco desenvolvimento cognitivo e, consequentemente, deixam o "cérebro confuso".

"O Homem é um ser de colaboração, não foi feito para estar isolado. Ao longo deste tempo, nós deixamos de ter referências e o cérebro fica muito confuso quando não tem referências", defendeu.

Nesse sentido, José Soares salientou quatro atividades fundamentais para melhorar a função cognitiva daqueles que, por exemplo, estão em teletrabalho: o exercício, a alimentação, o sono e o relaxamento.

No que ao exercício concerne, o fisiologista defendeu a importância das pessoas "se mexerem" ao longo do dia, uma vez que a atividade tem um efeito imediato no cérebro e melhora a sua função cognitiva.

"'Sit for 60, move for 3'sente-se por 60 minutos, mova-se por três minutos]", foi o lema que recomendou.

Paralelamente, defendeu a importância da alimentação e de "não cair na tentação" da 'confort food', de que são exemplo os bolos, chocolates e 'fast food'.

De acordo com o fisiologista, as perturbações do sono têm sido as razões mais apontadas para a falta de concentração e exaustão das pessoas, por isso, recomendou a "preparação do sono", como por exemplo, através do exercício, mas sem recorrer a dispositivos eletrónicos, uma vez que "despertam o cérebro".

Por fim, José Soares salientou a necessidade de se fazerem "pausas ou intervalos" durante o tempo de trabalho, algo que defendeu ter "um impacto muito grande nas decisões".

"Precisamos de nos rir, porque temos como que uma nuvem que ocupa espaço e sem querer, estamos a ser 'bombardeados' com isto [informação sobre a pandemia], e subtilmente, estamos preocupados", aconselhou.

A videoconferência, dedicada ao tema "Promover o bem-estar mental e boas performances em tempos da covid-19", além da participação de José Soares, contou com a moderação de Helena Canário, nutricionista na Nestlé.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 328 mil mortos e infetou mais de cinco milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,8 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.277 pessoas das 29.912 confirmadas como infetadas, e há 6.452 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 2,2 milhões contra cerca de dois milhões no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 133 mil contra mais de 169 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num "grande confinamento" que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios. 

Descubra as
Edições do Dia
Publicamos para si, em três periodos distintos do dia, o melhor da atualidade nacional e internacional. Os artigos das Edições do Dia estão ordenados cronologicamente aqui , para que não perca nada do melhor que a SÁBADO prepara para si. Pode também navegar nas edições anteriores, do dia ou da semana
Artigos Relacionados
Investigação
Opinião Ver mais