Covid-19: Os rostos de quem está na frente de combate

Covid-19: Os rostos de quem está na frente de combate
Lucília Galha 29 de novembro de 2020

Para virar um doente são precisos cinco profissionais de saúde, quatro enfermeiros e um médico. Para mudar uma fralda, dois. E para entubar e ligar ao ventilador, outros dois. Ao longo de um dia, cada doente internado nos cuidados intensivos com o novo coronavírus é tratado por 48 pessoas. Saibam quem são e o que fazem.

Não é por acaso que Nuno Príncipe costuma dizer aos seus doentes que, para ficarem bem, têm de correr uma maratona. "Os Cuidados Intensivos são importantes, mas são apenas os primeiros quilómetros. Depois, há todos os outros para correr fora daqui", diz o coordenador do serviço de Medicina Intensiva 8, do Hospital de São João. Que o diga Joaquim (nome fictício), 61 anos, um homem forte e saudável, sem doenças antes da Covid19. Teve alta daquele serviço no dia 3 de novembro, mas continua internado num programa de reabilitação intensiva. Ainda precisa de ajuda para andar e para tomar banho. 

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais