Covid-19: Novo estudo confirma que imunidade pode durar poucos meses

Covid-19: Novo estudo confirma que imunidade pode durar poucos meses
Diogo Barreto 13 de julho de 2020

Um novo estudo, desta vez da King's College, revela que número de anticorpos para a Covid-19 diminui para valores indetetáveis ao fim de três meses.

O ser humano pode não ganhar imunidade vitalícia à covid-19, revela um novo estudo. Segundo o mesmo, a verdade é que uma pessoa infetada pelo novo coronavírus pode ser infetada com o SARS-CoV-2 e perder a imunidade no prazo de um ano, à semelhança do que acontece com a gripe. 

O estudo baseou-se na resposta imunitária de 90 pacientes e profissionais de saúde do Reino Unido e concluiu que os anticorpos capazes de manter afastado o vírus do corpo atingem o pico três semanas após os sintomas terem desaparecido. E mesmo que 60% dos testados tenham desenvolvido anticorpos que permitem uma "resposta forte" ao vírus, a verdade é que passados três meses apenas 17% desses analisados mantinham uma presença elevada destes anti-corpos na corrente sanguínea. Houve mesmo casos onde esses anticorpos se tornam indetetáveis. 

Os anticorpos são substâncias produzidas no organismo em resposta a antigénios como vírus, bactérias, parasitas ou toxinas. Ao ligarem-se aos antigénios, os anticorpos reagem, enfraquecendo-os ou destruindo-os. Muitas vezes, quando infetado com um destes "intrusos", a memória do corpo aprende a combatê-lo e a desenvolver as suas próprias armas, eliminando-o de forma mais célere se voltarem a entrar no organismo.

Para continuar a ler
Já tem conta? Faça login
Para activar o código da revista, clique aqui
Investigação
Opinião Ver mais