Especiais Especiais C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

A CPBS está a apostar em novas pós-graduações e em formações complementares das mesmas

Católica Porto Business School tem diversas novidades para este ano letivo

22 Setembro 2022 16:19

A Católica Porto Business School disponibiliza na sua formação executiva (MBA, cursos executivos e pós-graduações) cerca de 50 cursos abertos, fazendo parte desta oferta o MBA Executivo, 17 pós-graduações e os restantes, cursos executivos entre as 20 e as 130 horas presenciais. Para além dos cursos abertos, a Católica Porto Business School (CPBS) constrói programas adaptados às necessidades de empresas e de organismos públicos e da economia social. Estes programas customizados não têm elencos formativos clássicos, sendo construídos em colaboração com as necessidades e requisitos que são identificados previamente pelos formadores.

No que diz respeito às novidades deste ano na formação executiva, Carlos Vieira, diretor executivo da Formação Executiva da CPBS, revela que está a ser feita "uma aposta em novas pós-graduações e em formações complementares das mesmas". "A pós-graduação em Fashion Management, que se iniciou maio, é uma grande novidade" e a partir do corrente ano letivo haverá outras novidades e o responsável explica quais são:

- Pós-graduações em Management Analytics e Strategic Decision Making e os cursos executivos de Tecnologias Aplicadas aos Negócios e de Gestão, tecnologia e transformação digital, reforçando a oferta formativa nas áreas STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática);

- Pós-graduações em Medicina do Desporto, Reabilitação e Gestão, numa parceria com a Academia Clínica Espregueira e a edição do curso de pós-graduação em Gestão na Saúde, numa parceria com a Universidade do Algarve, que decorrerá em Faro, reforçando a aposta na supressão das necessidades que este setor apresenta;

- Formação internacional, com o novo Programa Atlântico, em parceria com a Católica Luanda Business School e o Instituto de Administração e Gerência da PUC Rio, numa aposta estratégica da escola;

- Outras formações a desenvolver, destacando-se aquelas sobre Gestão de Pessoas, Economia do Mar, Gestão no Setor Agroalimentar, Gestão de Operações, Logística e Supply Chain, Innovation for Sustainable and Regenerative Business e Fiscalidade Avançada;

- A CPBS irá também incrementar a oferta formativa na área da Administração Pública e Autárquica, com parceiros públicos e privados relevantes do setor, procurando responder às suas necessidades e a uma aposta na reconversão de muitos dos serviços públicos, sejam eles desenvolvidos pela Administração Central, ou pelas autarquias, que tantas novas competências estão a assumir atualmente.

Instado a destacar um programa da CPBS, Carlos Vieira confessa que tem dificuldade em apontar um curso específico. "No entanto, se tenho de o fazer, destaco a nossa pós-graduação em Sustentabilidade, com um foco internacional, que atrás refiro, denominada Innovation for Sustainable and Regenerative Business." O diretor executivo da Formação Executiva da CPBS destaca este programa, pois resulta de "uma parceria com a Escola Superior de Biotecnologia da UCP, lançada no âmbito do INSURE.hub, uma iniciativa promovida pela Universidade Católica Portuguesa, no Porto, através daquelas escolas, com a Planetiers New Generation".

Corpo docente e não docente próximo dos alunos
Questionado sobre o que distingue a CPBS de outras escolas de negócios, Carlos Vieira responde que existem "muitos fatores diferenciadores", mas se tiver de escolher um, será "o corpo docente e não docente" da CPBS, que tem "uma relação muito próxima com os alunos, reforçado por uma estrutura humanista".

O responsável acrescenta que o corpo docente da CPBS reúne "dos melhores professores e investigadores nacionais e internacionais nas suas áreas de intervenção e docentes da indústria, que são especialistas nos seus setores de atividade e que têm competências pedagógicas com elevados padrões de qualidade".

Todos os restantes fatores de relação com os stakeholders da escola permitem "uma dinâmica na lecionação e no desenvolvimento de projetos aplicados que os alunos valorizam imenso". "Assim, estudar na CPBS é uma experiência de vida, com impacto direto na realização profissional e pessoal de um aluno."

Questionado sobre quais são os desafios atuais das escolas de negócios e da formação executiva que ministram, Carlos Vieira responde que os principais desafios são contínuos, ou seja, "procura-se que a formação de executivos mantenha um permanente contacto com as indústrias com que as escolas se envolvem, procurando através da investigação e da prestação de serviços identificar tendências nacionais e internacionais".

O responsável da Católica acrescenta a necessidade efetiva de que se "aumentem as parcerias multidisciplinares, que permitam a ligação efetiva entre a academia e a indústria (em sentido lato)". "Recordo que a criação da área de formação de executivos da CPBS decorre de uma parceria, sob a forma da Associação para a Escola de Gestão Empresarial, entre a Universidade Católica Portuguesa e a AEP – Associação Empresarial de Portugal. E de que a CPBS se pode orgulhar de estar ligada a muitos dos setores, quer do lado da formação, quer do lado da investigação aplicada".

O foco da instituição – prossegue Carlos Vieira – que sente ser aquilo que é o desafio principal de uma escola de negócios, é, desde o início, "a formação de quadros superiores, essencial à dinamização do valor acrescentado económico e que, nos últimos anos, está focada na qualificação desses quadros nas definições de sustentabilidade, responsabilidade social e ética". "Hoje, sabemos que a visão de uma organização do futuro passa pelas componentes de hard e soft skills."

Outros Conteúdos