C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Vinhos para todos os bons momentos

Com uma oferta alargada, para todas as bolsas e para todas as ocasiões à mesa, a Casa Ermelinda Freitas produz atualmente mais de 20 milhões de garrafas de vinho, que vende para 40 mercados.

Leonor Freitas, proprietária e gestora da Casa Ermelinda Freitas
25 Novembro 2021 13:03

A empresa dedica-se à produção de vinho desde 1920 e tem, hoje, mais de 1.500 prémios conquistados pelos vinhos que produz em concursos nacionais e internacionais da especialidade. A primeira marca própria, Terras de Pó, foi lançada na década de 90. Mas foi apenas quando o principal comprador de vinhos a granel não adquiriu a produção, como habitual, em 2002, que Leonor Freitas, proprietária e gestora da empresa, decidiu lançar-se exclusivamente na produção e comercialização de vinhos engarrafados.


Uma opção de sucesso


Na altura, “foi um grande susto para mim, que dependia da venda a granel”, conta. Mas o problema tinha de ser resolvido. Os vinhos da empresa eram certificados para Indicação de Proveniência Regional (IPR) ou Denominação de Origem Protegida (DOP) como vinhos reserva pela câmara de provadores da Comissão Vitivinícola Regional de Setúbal. Leonor Freitas sabia que tinham qualidade para competirem no mercado e, por isso, dois dias depois de ser informada e de ter meditado sobre a forma como o iria fazer, decidiu criar mais marcas e passar a vender vinhos em bag in box.

“Fi-lo de forma envergonhada, pois a imagem deste tipo de embalagens, na altura, não se coadunava com vinhos de qualidade”, diz Leonor Freitas, acrescentando que a opção foi correta, pois a comercialização dos vinhos dentro de bag in box foi a principal razão do sucesso inicial da empresa, dentro e fora do País.


Vinhos para o dia a dia


Hoje, a Casa Ermelinda Freitas tem uma distribuidora para todo o território nacional, a Prime Drinks, e vende diretamente às grandes superfícies. “São vinhos competitivos, fáceis de beber, agradáveis, com boa relação qualidade/preço, bons para o dia a dia”, explica Leonor Freitas.

Ter uma oferta mais competitiva, para o quotidiano, ajuda a sustentar o negócio de uma adega com a dimensão atual da sua, e permite-lhe fazer também produtos mais de nicho, como o Moscatel Superior, os monovarietais, o Quinta da Mimosa, o Dona Ermelinda Grande Reserva ou o Leo d’Honor.



Prémio Melhor Vinho Branco da Península de Setúbal


A Casa Ermelinda Freitas ganhou a distinção de Melhor Vinho Branco da Península de Setúbal com o vinho Terras do Pó Castas Branco Chardonnay & Viognier 2017 no XXI Concurso de Vinhos da Península de Setúbal. Além desta distinção, ganhou também um total de oito medalhas de ouro e cinco medalhas de prata.



As “origens” da casa


Os 550 hectares de vinhas que a Casa Ermelinda Freitas possui na Península de Setúbal ficam em Fernando Pó, zona privilegiada da região de Palmela. Os solos arenosos e ricos em água contribuem para a boa maturação das uvas, e as brisas frescas, que sopram dos rios Sado e Tejo, conjugam-se para amenizar o clima nos verões mais quentes e secos, sustentando a produção de vinhos mais suaves e elegantes.

Em 2018, com a aquisição da Quinta de Canivães, Leonor Freitas concretizou o sonho de longa data de ter uma quinta no Douro. Situada na margem esquerda do rio, perto de Vila Nova de Foz Côa, era conhecida antigamente como Quinta do Porto Velho, pois possui um pequeno porto. A propriedade tem 50 hectares, dos quais 20 de vinha com as castas tradicionais da região, e 4,5 hectares de olival de onde se produz azeite de qualidade.

Com a aquisição da Quinta de Canivães, Leonor Freitas concretizou o sonho de longa data de ter uma vinha no Douro


A Casa Ermelinda Freitas estendeu também a atividade à região dos Vinhos Verdes, com a aquisição da Quinta do Minho, próxima da Póvoa de Lanhoso. O investimento mais recente tem 40 hectares e resultou da fusão de duas das mais antigas propriedades da zona, a Quinta do Bárrio e a Quinta da Pedreira. Apesar de produzir em três regiões portuguesas e ter, hoje, uma oferta alargada, com várias gamas, Leonor Freitas não considera que o consumidor se baralhe com isso, até porque o objetivo é disponibilizar vinhos para todas as bolsas e todas as ocasiões. O Natal e o Ano Novo são duas delas.

A Casa Ermelinda Freitas estendeu a atividade à região dos Vinhos Verdes, com a aquisição da Quinta do Minho



Sugestões da Casa Ermelinda Freitas para a ceia de Natal


O Natal é uma época de paz, de reunião com a família mais próxima, de calor humano e boas conversas, de bons aromas e sabores à mesa. Mesmo neste tempo de pandemia, em que as festas ainda deverão ser reduzidas e íntimas para prevenir a segurança de todos, é a altura de saborear comeres de Natal como o bacalhau com todos, o polvo cozido, o peru, o galo, o leitão ou o borrego assados no forno, a roupa-velha e os inúmeros doces na companhia dos melhores parceiros vínicos. Estas são as propostas da Casa Ermelinda Freitas e da Ermelinda Vinhos de Portugal para a época natalícia.


PARA TODOS OS MOMENTOS DA REFEIÇÃO


Campo da Vinha Clássico

Vinho de cor citrina leve e aroma frutado com notas de frutos tropicais e alguns citrinos. Boca refrescante e rico com final elegante e saboroso. Um vinho para a companhia de pratos de peixe, marisco e saladas.

Dona Ermelinda Reserva Branco

Vinho de cor amarelo-esverdeada, com aromas em que se salientam as notas de frutos doces e algum citrino, bem integradas com a madeira na qual estagiou. Na boca, apresenta-se cheio e cremoso, com final elegante e persistente. Excelente para pratos de peixe, saladas, massas e carnes brancas, deve ser servido entre os 12 e os 14 ºC.

Dona Ermelinda Reserva Tinto

Vinho de cor granada, quase opaco, mostra aromas a lembrar frutos pretos, especiarias e fumo, com alguma compota devido à grande maturação atingida pelas uvas. Na boca, é um vinho denso, cheio, com boa estrutura, em que se sente a presença de taninos presentes, mas integrados e macios. Final longo persistente e muito agradável. Servir entre os 16 e os 18 ºC na companhia de pratos de carne vermelha, queijos de pasta mole e queijos fortes.

Casa Ermelinda Freitas Reserva Syrah

Vinho de cor granada, concentrado, com aroma confitado a lembrar fruta preta muito madura e alguma especiaria com um toque balsâmico da casta. Na boca, é muito cheio, aveludado, com taninos presentes muito bem integrados. Final longo e persistente. Ideal para a companhia de pratos de carne vermelha, caça, assados no forno, queijos fortes e foie gras. Sirva-o entre os 16 e os 18 ºC.

Quinta da Mimosa

Vinho de cor granada, concentrado, rico em taninos de boa qualidade, muito complexo, com aromas a lembrar frutos vermelhos maduros muito confitados, bem conjugados com a madeira, que lhe dá um toque a baunilha e especiaria. Fim de boca muito prolongado e persistente. Temperatura ideal de consumo: 16-18 ºC.



TINTOS ICÓNICOS PARA REFEIÇÕES ÚNICAS


Dona Ermelinda Grande Reserva

Vinho de cor granada, quase opaco, com aromas a lembrar frutos pretos, especiarias, fumo e alguma compota. Na boca, é denso, cheio, com boa estrutura de taninos bem integrados. Final longo e persistente. Um grande vinho para a companhia da carne, sobretudo a vermelha, que fica também bem com pratos de caça e queijos de ovelha e cabra. Servir a 16-18 ºC, de preferência decantado.

Leo d’Honor

Aroma profundo e concentrado. A casta Castelão no seu melhor, num vinho em que se salientam as notas de frutos pretos, compota e especiarias. Complexo na boca, com ligeiras nuances a tabaco e chocolate provenientes do estágio de 18 meses em barricas de carvalho francês, é um vinho bem encorpado, com taninos presentes e um final de boca elegante. Temperatura ideal de consumo: 16-18 ºC. Um vinho único, para a companhia de assados no forno ou na brasa de carnes brancas e vermelhas. Experimente-o na companhia do peru ou borrego de Natal e termine a garrafa devagar, com queijo seco alentejano.



PARA COMEÇAR OU TERMINAR EM BOA COMPANHIA


Casa Ermelinda Freitas Moscatel de Setúbal

Este vinho apresenta uma bonita cor dourada. Rico e complexo, no aroma salientam-se as notas de mel e casca de laranja, típicas deste tipo de vinho na região. Na boca, é volumoso, doce e tem uma boa acidez, que lhe dá frescura. Final de boca muito longo e persistente, num vinho que pode ser servido como aperitivo e a acompanhar doçaria árabe e pastelaria fina. Sirva-o entre os 14 e os 16 ºC.

Casa Ermelinda Freitas Moscatel de Setúbal Superior

Vinho de cor âmbar dourado, concentrado, rico e muito complexo, com aromas a lembrar mel e casca de laranja bem conjugados com os da madeira. Na boca, é fresco, cheio e doce, com final longo e persistente. Servir a 14-16 ºC no copo como aperitivo ou na companhia de pastelaria fina e doçaria árabe.

Casa Ermelinda Freitas Moscatel de Setúbal Roxo Superior

Vinho de cor âmbar viva com laivos dourados. No aroma salientam-se as notas de frutos secos, como avelãs e nozes, e as especiarias. Na boca é muito harmonioso, com excelente combinação entre doçura e frescura, e tem um final longo e complexo. Servir a 14-16 ºC no copo como aperitivo ou na companhia de pastelaria fina e doçaria árabe.



NA HORA DE COMEMORAR


Casa Ermelinda Freitas Espumante Bruto

Vinho de cor amarelo-brilhante, com aroma em que se salientam as notas frutadas citrinas e tropicais. Na boca, mostra boa estrutura, uma acidez que lhe dá frescura e longevidade e um final fresco e agradável, com notas de fruta. Servir entre os 8 e os 10 ºC como aperitivo ou na companhia de carnes gordas.