C-Studio
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

#AdoroOsMeusOlhos: sabe o que é retinopatia diabética?

A professora Lilianne Duarte, médica Oftalmologista e membro da Direção da SPO, fala-nos acerca de uma patologia com consequências graves, se não tratada atempadamente.

30 Setembro 2022 17:30

Sabia que existe uma semana comemorativa dedicada à visão? Celebrada entre 10 e 16 de outubro, tem como objetivo alertar para a importância de uma boa saúde ocular. No âmbito da campanha #AdoroOsMeusOlhos, iniciativa da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, e a propósito da celebração, a médica Oftalmologista e membro da Direção da SPO, Lilianne Duarte explica-nos o que é a retinopatia diabética, quais as causas e que cuidados são necessários. 



O que é e qual o impacto da retinopatia diabética?

A diabetes é considerada um problema epidémico por parte da Organização Mundial da Saúde. O número de adultos diabéticos quadruplicou nos últimos 40 anos.

A retinopatia diabética é a causa mais frequente de perda da visão irreversível entre os 20-74 anos de idade nos países industrializados. Uma em cada três pessoas com diabetes vai desenvolver retinopatia diabética ao longo da vida.

Em Portugal, existem cerca de 250 mil diabéticos com retinopatia; dos quais 25 mil com perda visual mais ou menos grave. Cerca de 3 mil diabéticos por ano ficam com uma visão igual ou inferior a 10%.



Prof.ª Lilianne Duarte, médica Oftalmologista e membro da Direção da SPO



Quais são os principais fatores de risco?

Os principais fatores de risco para o início da retinopatia são o tempo de duração e tipo de diabetes, o mau controlo metabólico, o mau controlo da pressão arterial ou dislipidemia. O risco de agravamento e complicações da diabetes ocular aumenta nas idades mais avançadas pelo maior risco de associação com outras doenças.


Em que consiste e quais os sinais e sintomas? Pode levar à cegueira?

A retinopatia diabética caracteriza-se pela lesão das veias e artérias responsáveis pelo aporte de nutrientes e bom funcionamento da retina, a parte do olho responsável pela visão. Se não for diagnosticada e tratada atempadamente, leva à perda irreversível da visão e cegueira.

A perda da visão na retinopatia diabética pode dever-se a hemorragia intraocular com perda súbita da visão, ou a edema macular (causa mais frequente de perda irreversível da visão), que consiste na acumulação de líquido, hemorragias e exsudatos na mácula, a zona central da retina e a mais importante para a visão.

Podendo ser assintomática nas fases iniciais, a deteção precoce das lesões de retinopatia diabética deve ser orientada correta e atempadamente para o tratamento adequado para evitar a perda progressiva da acuidade visual.

A perda da visão pela retinopatia diabética tem um impacto socioeconómico muito importante, afetando a capacidade de trabalho e a dependência de terceiros.


Como se controla a progressão da retinopatia diabética?

A forma de evitar a perda da visão pela retinopatia diabética passa por:
1 – Prevenção pelo diagnóstico precoce da diabetes, bom controlo metabólico, bom cumprimento por parte do doente e adoção de hábitos de vida adequados;
2 – Vigilância regular por oftalmologista para uma deteção precoce da doença;
3 – Tratamento adequado e atempado com laser, injeção intravítrea de medicamento ou cirurgia de acordo com o quadro clínico, evitando a progressão para estádios graves.

O diagnóstico precoce e o controlo da diabetes e outros fatores pelo diabetologista, a referenciação regular (anual) para o médico oftalmologista, e o tratamento ocular adequado e atempado com laser e/ou injeções intravítreas podem reduzir a perda visual grave até 90% e diminuir os casos de cegueira legal por retinopatia diabética grave/muito grave de 50% para 5%.

O impacto positivo na qualidade de vida e custos económicos é indubitável.




Retina normal sem lesões de retinopatia diabética



Retinopatia diabética com edema macular



Retinopatia proliferativa grave com hemorragia intravítrea