Você está em: Homepage / Opinião / Edson Athayde / Procura-se um Amigo

Opinião

Alterar tamanho de letra

Edson Athayde

Edson Athayde: Procura-se um Amigo

“Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. (…) Não é preciso que seja de primeira mão (…).” *

Um dia, você está num quarto de hotel qualquer, de uma cidade qualquer, de um país qualquer que não o seu, e há uma janela que não dá direito a uma paisagem bonita. Nessa cidade, onde você não conhece ninguém, nem tem vontade de conhecer, não há monumentos com história que compense a visita, nem restaurantes incensados pelo Guia Michelin, nem uma praia onde as pessoas aplaudem o pôr-do-sol. Nesse dia, nessa noite, nessa hora você lembra-se dos seus.

“Os seus”, interessa-me perceber melhor essa expressão. Creio que “os seus” pode incluir a família directa mas isso é redutor. Há quem não tenha, há quem tenha mas não se dá com ela, há quem só goste dela quando longe. Não vamos, pois, utilizar a família como régua para medir o perímetro exacto da pertença.

Há os amores e os amigos. Se permitem-me, corto também os primeiros da equação. Apesar das suas quatro letras, amor é palavra muito grande, mexe com muita coisa, nem sempre traz felicidade, para ser feliz é preciso amar e ser amado (o “ou” aqui não funciona).

Sobram os amigos. Não, a frase soa-me inexacta. Os amigos nunca deveriam sobrar, nunca deveriam ficar para o final, depois de todas as pessoas importantes. Amigos de segunda, amigos que não são prioritários, são amigos que não são.

“Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer. (…)” *

Um dia desses, num quarto de hotel cheio de móveis e vazio de emoções, tive tempo para fazer umas contas e dar nomes e caras e corpos e vozes e jeitos e defeitos e manias e qualidades e risos e choros a cada um dos amigos a quem posso chamar de “meus”.

Lembrei do tema ao ler que vai fazer agora um ano que a ONU ratificou o Dia da Amizade. E que ele poderá ser celebrado, em pleno, no 30 de Julho próximo. Nem acho importante as datas e efemérides. Só peço que não fique a espera de uma noite triste para lembrar (ligar, mandar um mail, um SMS, um postal, uma mensagem, este texto, sei lá eu) a quem deseja que os seus dias sejam felizes.

“Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. (…) Para ter-se a consciência de que ainda se vive”.*

Ou como diria o meu Tio Olavo, citando um filósofo: “O que é um amigo? Uma única alma que habita dois corpos”.


* Trechos do texto “Procura-se um Amigo”, de Vinicius de Moraes.


Remix da Semana

OK Vá: É sempre assim. Quando a banda de rock “OK Go” lança uma nova canção, o vídeo que a acompanha será, no mínimo, genial.


Uma Festa de Cor: Quando milhares de pessoas bem dispostas juntam-se para lançar fumo colorido no ar, o resultado pode ser a World’s Biggest Color Party de sempre.

Grande Mariza: A nossa Mariza vai ao Jô Soares e mostra que é uma grande cantora seja qual for o sotaque.

Facebook: Faça parte da rede amigos do Edson Athayde no Facebook. Basta clicar e fazer o pedido.


Comentários






Copyright ©. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Edirevistas, S.A. , uma empresa Cofina Media, SGPS. Consulte as condições legais de utilização.