Você está em:Multimédia / Vídeos

Vídeos

Mundo

Jovens e prontas para morrer

22-10-2014

Combatem com armas artesanais. Garantem que o farão corpo a corpo, se necessário. As combatentes curdas são um dos maiores entraves ao avanço do Estado Islâmico

Por Fernando Esteves

Combater ou entregar-se. Arin, de 22 anos, tinha de decidir rapidamente. De metralhadora Kalashnikov ao ombro, a jovem combatente curda fora cercada na periferia leste de Kobane por dezenas de terroristas do Estado Islâmico (EI), que há mais de um mês tentam, sem sucesso, tomar conta da cidade síria colada à fronteira com a Turquia.

Escolhendo combater, Arin sabia que teria morte certa. Mas também sabia o que a esperava se se entregasse: seria torturada, violada e posteriormente degolada – era um jogo impossível de ganhar.

Preferiu lutar – e matar. Saiu do abrigo e correu em direcção ao inimigo. Antes que a dominassem, fez explodir o seu cinturão de dinamite. Morreu, claro. Mas com ela terá levado cerca de 70 elementos do EI – a acreditar nas informações reveladas pela Unidade de Protecção da Mulher (UPM), o ramo feminino da Unidade de Protecção do Povo Curdo, a principal milícia curda, com mais de 10 mil combatentes femininas.

Leia todo o artigo na SÁBADO desta semana, que chega às bancas no dia 23 de Outubro. 


Deixar Comentário

Por favor faça Login/Registo para comentar este artigo.

comentários

Galerias de vídeos





Copyright ©. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Edirevistas, S.A. , uma empresa Cofina Media, SGPS. Consulte as condições legais de utilização.