Você está em: Homepage / 
Alterar tamanho de letra

30 JUNHO 2009 - 23.51h

Pensamentos do Dalai Lima (XIII)

Categoria - Política


Jornada sindical contra
o desemprego promete
pôr muita gente na rua
.



Jorge Lima

30 JUNHO 2009 - 23.37h

Ou coisa parecida

Categoria - Política

Ali ao lado vem uma "análise" deste programa que podia ser apresentada no ISCTE ou no Largo do Rato. Muito certinha, muito respeitosa dos costumes em vigor e, sobretudo, muito apreciada por quem a deve apreciar. «O esboroar deste modelo televisivo liga-se à falta de controlo de Pacheco Pereira sobre o facciosismo da sua opinião, à pulsão quase-libidinal que enceta o substantivo do seu discurso e que raras vezes lhe dá margem para a sofisticação intelectual» é o estilo de prosa que escavaca qualquer um ao ponto de não lhe apetecer ler o resto. Até se fala  no «medo» Que Pacheco tem «medo». E nós, crédulos ignorantes, que olhamos para Pacheco Pereira e não enxergamos imediatamente o «medo» que ressuma de tudo o que Pacheco escreve ou fala. Aliás, Pacheco é mesmo um "modelo" ambulante do homem medroso, não é? Um "modelo" de um "inho" português típico, não é? Tudo advém, afinal, da «sanha», explica o nosso Bruno. Estão lá todas as «sanhas», no seu sentido "denotativo" e "conotativo". Até a D. Câncio reparou sem reparar pois nela é tudo em diminutivo. Burgessos alheios à inteligência "bélica" do Bruno também botaram faladura mas não dou para esse peditório de idiotas úteis. Apenas recordo a "apresentação" do autor e o Filipe Nunes Vicente: «estes mesmos pacientes, na semana passada, defendiam vigorosamente a liberdade de expressão, se bem me lembro, a propósito de loiras. Ou de coisa parecida.» É isso, Bruno. Ou coisa parecida.



João Gonçalves

30 JUNHO 2009 - 16.32h

Espécie de jornalismo

Categoria - Política

Via Manuel Castelo-Branco, chego a esta notícia de hoje do DN. Sem aprofundar o tema, registo o entusiasmo do jornalista perante uma notícia com alguns anos. Resumindo, o DN, após - imagina-se - aprofundada investigação, descobriu na proposta do Governo de regulamentação do Código do Trabalho:
"Quinze dias de salário em atraso é o suficiente para evitar execuções fiscais de carros, da conta bancária e penhoras comerciais sobre bens, como móveis e electrodomésticos. Despejos por falta de pagamento das rendas das casas também não são permitidos e o Estado passa a substituir-se aos devedores para pagar aos credores e senhorios."

Como o Manuel refere, este regime está comtemplado na nossa lei desde 1986, constando hoje da Regulamentação do Código do Trabalho, aprovada pela Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho, nomeadamente dos artigos 310.º e seguintes.

Resta agora saber se o equívoco é do jornalista que se esqueceu de ir ler o regime actualmente em vigor ou se, pelo contrário, a notícia resulta de algum press release governativo... certamente já com 23 anos.



Rui Castro

29 JUNHO 2009 - 11.35h

Pensamentos do Dalai Lima (XII)

Categoria - Política

 

Michael Jackson
:
a força do óbito.



Jorge Lima

Depois de Reyes e Aimar, o Glorioso contrata Saviola. 



Rui Castro

 O Manifesto dos Sociólogos, que defende como prioriade o combate ao desemprego, já está a ter efeitos. José Sócrates quer criar 5 mil estágios na Função Pública. Suponho que enquanto o Plano Tecnológico não gera emprego tem que se criar emprego no único sítio onde pode ser criado.



João Miranda

27 JUNHO 2009 - 22.22h

Agradeço

Categoria - Política

 José Sócrates fez hoje mais pelo liberalismo que a meia dúzia de liberais portugueses alguma vez poderia fazer. Os portugueses ouviram pela primeira vez a expressão "Estado mínimo". A 90% dos portugueses nunca ocorreria a possibilidade de o Estado poder ser mínimo. Mas agora sabem dessa possibilidade.



João Miranda

26 JUNHO 2009 - 14.05h

Quer fechar uma marquise? Aproveite agora!

Categoria - Política





Ai que humilde anda o Governo e o seu chefe. A avaliação dos professores é adiada dois anos, leia-se para as calendas gregas. Abandona-se o finca-pé na escolha do Provedor de Justiça. O TGV é adiado um ou dois meses, mas a dar a ideia que é para depois de Outubro. Tudo, candidamente, segundo o argumento hony soit qui mal y pense, à mulher de César não basta ser honesta, é preciso parecê-lo, e não queremos ser acusados de tomar decisões delicadas que interfiram com as próximas eleições.Queremos ser queriduxos com todos os cidadãos dotados de capacidade eleitoral.
Assim, caro eleitor e leitor, se pensa fechar uma marquise contra regulamentos camarários, aproveite agora. O Governo e o seu PM não vão querer ser acusados de estar a pressionar os eleitores em sua própria casa, e darão uma palavrinha ao Sr. Presidente da Câmara e putativo novo líder socialista a partir de Outubro.
Sr. PM: o senhor, politicamente falando, é um hipócrita. O senhor é um troca-tintas. O senhor é um sonso. Não há outros qualificativos, sob pena de o hipócrita, troca-tintas e sonso ser eu. Ainda o respeitariamos se estivesse simplesmente a usar a golden share da PT para pôr a mexer o patrão e marido da senhora que lhe morde as canelas todas as sextas. E ninguém duvida que foi essa a sua intenção, pois era impossível não estar a par, e comprar acções tão acima do valor de mercado da dona daquela estação, a três meses de eleições, não podia ter outro móbil. Era uma prepotência, mas legal, que avaliaríamos em Outubro. A gente neste país até nem desgosta de ditadores, levámos meio século a aturar o último. Mas quando vem, qual virgem pudica, afirmar que o Governo impediu a PT de realizar um negócio que seria empresarialmente interessante, mas poderia levar as pessoas a pensar que bla bla bla, isso é que não há pachorra, isso é simplesmente, mais do que uma mentira, patético. Não basta ser mau, não basta ter uma agência de comunicação, é preciso ser esperto. Poupe-nos. Volte a ser feroz. Volte a ser animal. Faça GRRR. Em três meses já não nos conseguimos habituar ao seu alter ego cozinhado. Ajude-nos a ajudá-lo a terminar o mandato com uma certa dignidade
.



Jorge Lima

26 JUNHO 2009 - 11.27h

Sócrates dá o dito por não dito... outra vez

Categoria - Política

Há 2 dias:
"O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou hoje desconhecer a eventual compra pela Portugal Telecom (PT) de 30 por cento da Media Capital, que controla a TVI, alegando tratar-se de "um negócio privado". "Nada sei disso, [porque] são negócios privados e o Estado não se mete nesses negócios. Não estou sequer informado disso, nem o Estado tem conhecimento disso", declarou José Sócrates no final do debate quinzenal na Assembleia da República." - jornal i

Hoje:
"Governo vai vetar o negócio da compra da TVI pela PT" - Público



Rui Castro

26 JUNHO 2009 - 10.01h

Pensamentos do Dalai Lima (XI)

Categoria - Política


José Sócrates é um
ditador de eleição.



Jorge Lima

26 JUNHO 2009 - 09.09h

"O Último Rei da Escócia" (2)

Categoria - Política

 


"Não pode fazer pergunta nenhuma". Esta foi a resposta de Mariano Gago a uma questão do jornalista. O Ministro podia ter dito que não respondia ou limitar-se a ficar calado. Não o fez. Optou, repete-se, pelo "Não pode fazer pergunta nenhuma". Como diz o Daniel Oliveira, a atitude do Ministro Gago demonstra bem o que tem sido o Governo nestes últimos 4 anos. Sócrates bem se pode esforçar e tentar vestir a pele de cordeiro. Não lhe serve. Once a bitch always a bitch.



Rui Castro

25 JUNHO 2009 - 23.35h

Michael Jackson

Categoria - Política





Não sendo fã incondicional, reconheço-lhe a autoria de uma das músicas mais emblemáticas de sempre, Jackson morreu hoje. RIP.



Rui Castro

25 JUNHO 2009 - 20.21h

Isso é mau?

Categoria - Sociedade

"Lisboa perde um terço dos espanhóis por causa da crise" - jornal i, versão impressa



Rui Castro

25 JUNHO 2009 - 14.43h

"O Último Rei da Escócia" *

Categoria - Política

Simplificando: Sócrates quer comprar a TVI, pelo dobro do seu preço, a 2 meses das eleições.

* Título roubado a este filme



Rui Castro

25 JUNHO 2009 - 14.25h

Golden Share

Categoria - Política

Parece-me evidente que o Primeiro-Ministro vai ter de explicar muito bem como é que a PT, empresa de telecomunicações na qual o Estado detém uma posição privilegiada, se prepara, a 2 meses das eleições, para comprar a Media Capital, detentora da estação televisiva que mais tem incomodado o Governo. Mais ainda se se confirmar a notícia de que a PT estará a pensar oferecer quase o dobro do valor actual de mercado por 30% das acções da Media Capital.



Rui Castro

25 JUNHO 2009 - 08.47h

Leite UHT

Categoria - Política



Subscrevo tudo o que o João Gonçalves diz, aqui imediatamente abaixo, menos a última frase. Para mim, foi mesmo uma nova Manuela Ferreira Leite que vimos ontem na SIC frente a Ana Lourenço.

Ontem começou a desfazer-se-me o dilema entre o algodão-doce e o óleo de fígado de bacalhau. Entre as doces promessas propagandísticas do PM e a dureza insuportável das receitas advogadas por Manuela. Ontem, ouvimos a líder do PSD descontraída, até sorridente, com uma clareza de raciocínio e acutilância notáveis. Fez o acto de reparação das suas políticas enquanto Ministra das Finanças, não no sentido de pedir desculpa, mas no de repor a verdade dos factos («um ano para pôr o défice em ordem, ou seríamos penalizados com perda de fundos estruturais). E com a dose de demagogia qb inevitável e aceitável em qualquer político, como na alegação de que não pode propor soluções porque não tem acesso aos dossiês, lá foi abrindo caminhos: aposta nas PME's, negação da subida de impostos, baixa quando for possível, Alcochete em fases, TGV assim que as finanças o permitam.
O que mais espanta, e estimula, é cotejar esta evolução para uma pose genuinamente mais descontraída (e como não, depois do 7 de Junho?), com a evolução correspondente do PM, soprada pelos seus spin doctors da LPM, e que cheira a falso por todos os lados: Manuela continua a dizer que não fará uma única promessa que não tenha a certeza de cumprir. Mas fica sempre melhor com um sorriso nos lábios.Encontrou o seu posicionamento, e este posicionamento vai ao encontro das necessidades do consumidor/eleitor. Em Outubro pode haver surpresas que vão além da cada vez mais provável vitória doi PSD.
É claro que tudo isto tem um lado negativo. A partir de Outubro, perspectiva-se também cada vez mais a possibilidade de um certo engenheiro técnico voltar a ganhar a vida a assinar, in absentia, projectos de barracões em Manteigas.



Jorge Lima

24 JUNHO 2009 - 22.05h

A própria

Categoria - Política

Na sexta-feira que antecedeu as eleições europeias, disse aqui que «a presidente do PSD disputa, não um mero resultado "honroso", mas a vitória taco-a-taco com o PS, o dono e senhor absoluto do país e do Estado.» Quando, dois dias depois, Manuela Ferreira Leite ganhou efectivamente as eleições europeias, recordei que «esquadrões de adversários, internos e externos, fizeram tudo para a apoucar, para a reduzir a pouco mais do que nada, para fingir que ela não existia.» Existia e «também Manuela Ferreira Leite percebeu que existe e que, finalmente, provou isso a si mesma.» Depois da entrevista a Ana Lourenço a presidente do PSD evidenciou que é a única alternativa credível e séria ao embuste que Sócrates representa. Não disse mal por dizer e até elogiou o que pode ser elogiado. Chama-se a isso sentido de responsabilidade contra o mero sentido da imagem em vigor. Já fazia falta alguma autenticidade à política portuguesa, isto é, uma relação não difícil com a verdade. Por consequência, não foi uma "nova" Manuela Ferreira Leite que apareceu na SIC. Foi a própria.



João Gonçalves

As expressões utilizadas pelo arguido João Miguel Tavares dirigidas ao primeiro-ministro, figura pública, ainda que acintosas e indelicadas, devem ser apreciadas no contexto e conjuntura em que foram publicadas, e inserem-se no direito à crítica, insusceptíveis de causar ofensa jurídica penalmente relevante», afirmou o Ministério Público. Considerou, porém, que o jornalista não ultrapassou os limites na crítica que fez ao chefe do Governo e líder do PS, enquanto figura pública. - Público



Rui Castro

24 JUNHO 2009 - 10.34h

Perguntar não ofende

Categoria - Sociedade

Alguém sabe o que é feito do processo disciplinar movido pelo Procurador-Geral da República contra Lopes da Mota?



Rui Castro

 

Disseram-me agora ali que o senhor disse ontem na TVI que, em caso de derrota do PS, José Sócrates não tinha de deixar de ser secretário-geral do PS. Pardon? Então já desistiram? Estão numa de baleias suicidas a dar à costa? Ou estão desorientados, como também se diz das ditas? Então isto já são favas contadas? É que se não se importa, nós, que queremos que o PSD ponha fim a este triste parênteses que o Dr. Santana Aventesma Lopes induziu na história pátria, ainda não contamos com o ovo no cu da galinha. Assim não vale. Ou então, é uma estratégia tão subtil tão subtil tão subtil que eu que sou tão inteligente tão inteligente tão inteligente não estou mesmo a apanhar. É, deve ser isso.



Jorge Lima

23 JUNHO 2009 - 13.31h

Assim se vê a força do PC

Categoria - Política




O acordo laboral esforçadamente negociado pela Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, encabeçada por António Chora, militante do Bloco de Esquerda, foi derrotado por escassa margem, em plenário da empresa. Segundo parece, a corrente sindical comunista, cumprindo o seu eterno papel de correia de transmissão do PCP, boicotou o entendimento, e deu instruções aos seus filiados para cumprirem a orientação.
Há uma tradição bacoca, e tanto mais quanto mais o tempo passa, de atribuir ao campo conservador o exclusivo do moralismo, leia-se falso moralismo. Mas os factos, apesar de não convirem à intelligentsia, falam por si. O PC, que enche a boca e os nossos ouvidos com a defesa dos trabalhadores, defende afinal tão só os interesses dos seus trabalhadores. Os sindicalizados, os de lugar assegurado, os militantes do partido. E 150€ por ano, a soma em discussão relativamente ao pagamento de horas extra em alguns sábados, é um prato de lentilhas que bem vale a traição de sacrificar ao desemprego os 250 contratados a prazo, que serão dispensados em caso de ausência de entendimento. Desses, e de muitos outros que se seguirão, em Palmela, ou nas empresas subcontratadas, como aquela cujo único cliente é a Autoeuropa, e que já se vê obrigada a despedir, hoje mesmo, 22 trabalhadores. Se isto não é falso moralismo...
Também o patriotismo apregoado pelos comunistas é uma hipocrisia. Na Soeiro Pereira Gomes não mora a ingenuidade, mas apenas a realpolitik, ainda que deformada e perversa. E é claro a quem não assobie para o lado que a saída da empresa do país pode ser um preço aceitável a pagar para que o PC não deixe que se crie o precedente de trabalhadores a negociar com administrações outra coisa que não sejam contratos colectivos verticais. Faz-nos lembrar aquela mesquinha figura que não queria que entrasse no país mais que uma certa indústria, para que não se formasse uma classe proletária. Como é que ele se chamava? Sim, isso mesmo, Salazar. Salazar e Jerónimo, a mesma luta.
Há no entanto outra perspectiva mais interessante de analisar, que não passa pelo moralismo, mas sim pela força da realidade. Quando uma Comissão de Trabalhadores afecta ao Bloco é capaz de conviver com a besta capitalista para assegurar de forma realista aquilo que interessava, parece, a Marx e Engels — as condições materiais dos trabalhadores — , o PC que se cuide. A continuar assim, a esquerda enquistada e a esquerda criativa podem afinal consolidar em Outubro a troca de posições que ensaiaram em Junho. E o quarto lugar do PC pode passar de susto passageiro a pesadelo de que já não se acorda.



Jorge Lima

23 JUNHO 2009 - 10.31h

Histórias de blusões

Categoria - Mundo

Ali ao lado, o homem que me promoveu a blogger mais antipático do mundo, o Vasco, afinal também aprecia reparar nos blusões do senhor do Irão. Sucede que eu também reparo que a Rússia já explicou ao mundo - a esse mundo que anda a rasgar as vestes na net por causa do dito Irão - que as eleições (e o seu resultado) são coisa inteiramente privada dos iranianos. Este novo Timor em ponto gigante preocupa qualquer um, até o blogger mais antipático do mundo. Só que a Rússia também me preocupa. A diferença é que eu não penso que ir para a rua vestidos de branco, de mãos dadas, ou andar a carpir na net ou no twitter resolve um átomo do problema. Aliás, um dos maiores problemas do ocidente contemporâneo é perceber muito mal o Outro. E, pior do que isso, querer erigir um Outro à sua medida e maneira. O multiculturalismo folclórico, alimentado anos a fio pelo ocidente (todo, à esquerda e à direita) produziu aberrações como as que se passam presentemente no Irão, no Iraque ou no Afeganistão. É preciso explicador?



João Gonçalves

23 JUNHO 2009 - 01.05h

O que parece é

Categoria - Sociedade


Quando ouvi a declaração de Moniz (sobre a presidência do Benfica), recordei as primeiras investidas de Manuel Alegre para Belém. Parecia que a meio avançava e, por fim, desistia. Acabou, todavia, por avançar. Perdeu e voltou para o seu lugar de deputado e de vice-presidente do "Solene Congresso". Ora se calhar Moniz não tinha a mesma certeza de, perdendo, poder manter-se como director-geral da TVI. Seja como for, ficou o sinal. Moniz já está a prazo em Queluz. Em televisão, o que parece é.



João Gonçalves

23 JUNHO 2009 - 01.01h

O porta-voz

Categoria - Política



Pacheco Pereira
só se esqueceu de mencionar que o seu colega de Quadratura - o Costa de Lisboa e "aspirante" ao lugar de Sócrates cujo principal ódio de estimação interna se chama António José Seguro - é o "paizinho" espiritual do novo porta-voz do PS, o betinho Tiago Silveira. Foi ele que o levou para as lides e para os gabinetes tal como, no passado, foi ele quem apresentou Silva Pereira a Sócrates para o coadjuvar, como jurista, nas pastas por onde passou no tempo de Guterres. Pereira, militante com menos de nove anos no PS, já "vai" em ministro da Presidência. Quando Sócrates estiver esgotado, estes homens de mão de Costa (como Perestrello, o da "máquina") ficam. Com ele, naturalmente.



João Gonçalves

22 JUNHO 2009 - 23.26h

A fechar a loja

Categoria - Política

Deu ainda para constatar que o Ministro Pinho não se entusiasmava assim desde as braçadas sincronizadas que deu com Phelps numa qualquer piscina portuguesa depois dos Jogos Olímpicos.



Rui Castro

22 JUNHO 2009 - 23.18h

Libido

Categoria - Economia

Depois de ter ameaçado subir a saia, Fátima Campos Ferreira manda entrar os mineiros. Até amanhã.



Rui Castro

22 JUNHO 2009 - 23.11h

Prós e Contras

Categoria - Política

Tenho a televisão ligada há mais de meia hora e na "gruta" só vejo Prós. Imagino que os Contra se tenham perdido no caminho...



Rui Castro

22 JUNHO 2009 - 14.01h

Os nossos indicadores continuam a melhorar.

Categoria - Política




Os outros dedos também não doem, porque já foram cortados, para levar os anéis. E hoje, hojinho mesmo, assistimos a mais duas concretizações do princípio sucialista de alterar as premissas da equação, até o resultado final ser satisfatório.
Primeiro, os exames nacionais do Nuno. O Nuno não percebe ponta dum pinchavelho de Matemática, talvez por nunca ter aberto os books, mas foi entrevistado para as notícias da abertura dos telejornais a dizer com um sorriso rasgado no rosto que a prova nacional de Matemática correu bué da bem, só não soube responder àquela de quanto é que é o dobro de dois, o resto era fácil.
A segunda novidade era que reduzimos a sinistralidade na estrada em 50%, e passámos para número cinco da Europa. Não é tão fácil como reduzir a sinistralidade no Governo, coisa que exigiria uma remodelação profunda, mas consegue-se com subtis manapulações dos dados (não, não é gralhaé um neologismo cuja origem remonta há dez segundos atrás, e vem de «manápulas»). Nomeadamente não incluindo os acidentados que morrem passado um mêsbom, para sermos rigorosos, ignorando até os que morram daí a cinco minutos.
O que vale é que para Outubro, os sucialistas já não vão a tempo de manapular os dados das eleições. Das sondagens, sim, como sempre, por exemplo admitindo que a abstenção se abstém da mesma forma que nas eleições anteriores. Mas isso até é bom, para manter o povo insucialista mobilizado. Os resultados das eleições de Outubro, acho que não, mas sei lá, eu sou um rapaz do campo, e com amigos do Hugo Chavez, todo o cuidado é pouco.



Jorge Lima

19 JUNHO 2009 - 09.15h

e o burro sou eu?

Categoria - Política

É certo e sabido que a Fernanda Câncio é complexada. Só isso explica que se dirija a mim nestes termos, linkando um blogue onde eu não escrevo. O estudo do complexo da Fernanda, porém, deixo para a Ana Matos Pires, sua colega de blogue, mais versada neste tipo de problemas.
Vamos à questão de fundo. A Fernanda Câncio podia ter dito, como outros, que em alguns países o número de abortos tinha diminuído ao fim de alguns anos de despenalização. Não foi isso que ela disse. Para que não restem dúvidas, transcrevo de novo o que ela escreveu em 2007:
"A experiência dos países que despenalizaram a gravidez nas primeiras semanas de gestação diz, ao contrário do que tem sido propalado por uma campanha astuciosa, que despenalizar conduz a uma diminuição/estabilização dos número de abortos. Na Europa, ao contrário do que uma campanha mentirosa quis fazer crer, a despenalização do aborto nas primeiras semanas de gestação contribuiu para uma diminuição/estabilização do número de abortos."
Leiam agora o que a Fernanda Câncio escreveu em 2009:
"o número de abortos legais, como é normal na sequência da normalização da cobertura nacional e da consciencialização das pessoas em relação à existência da lei (foi assim em todos os países em que a lei mudou e racionalmente ninguém poderia esperar outra coisa), está a aumentar."
Tirem as vossas conclusões.



Rui Castro

19 JUNHO 2009 - 02.06h

Perguntas

Categoria - Política

 Quando é que o governo compra a Cosec?

Quando é que ministro Mário Lino cumpre a promessa de colocar portagens nas SCUTS?

Quando é termina a Operação Furacâo?

Já se sabe mais alguma coisa do caso Freeport?

O julgamento da Casa Pia já acabou? Alguma das vítimas já é avô?

Os negócios que Sócrates promoveu entre empresas portuguesas e a Venezuela já deram dinheiro?

Depois da cimeria Ibero-Americana, quantos Magalhães é que foram vendidos na América Latina?

Quantas rendas é que foram actualizadas graças à lei das rendas?

Como é que vai o processo disciplinar a Lopes da Mota?

Chegaram a descobrir os responsáveis pelas fugas de informação no caso Freeport?

Qual foi o retorno, até ao momento, medido em percentagem acrescentada ao PIB, do plano tecnológico?

Quando é que as Pirites Alentejanas voltam a funcionar?

O Via CTT já chegou aos 10 milhões de utilizadores?



João Miranda

18 JUNHO 2009 - 22.51h

Pensamentos do Dalai Lima (X)

Categoria - Política


Nunca me engano e raramente tenho dívidas.



Jorge Lima

18 JUNHO 2009 - 22.20h

O novo homem português

Categoria - Política



Sócrates - o "renovado", o da lata infinita - disse aos jornalistas, terminado o debate da infeliz moção do dr. Portas, que devia ter "investido" mais na cultura como fez (?) na ciência. Isto como se ele próprio fosse um modelo de "cultura". Tal como acontece com outras matérias, também com a cultura não se pode dizer que o 1º ministro tenha uma relação fácil. O seu PS "investiu" numa quase nulidade política - Isabel Pires de Lima - e numa absoluta nulidade política, José António Pinto Ribeiro. Sócrates foi o único ministro da cultura do seu consulado, intermitentemente coadjuvado pelo dr. Pinho. Pinto Ribeiro - recorde-se - ia fazer mais com menos dinheiro. Os três - Sócrates, Pires de Lima e o infeliz incumbente - acabaram, na realidade, por fazer nada. Mas Sócrates é, nesta encarnação esforçada e forçada pelo tombo de 7 de Junho, está, afinal, mais plastificado do que o costume. Só que o costume vai acompanhá-lo fatalmente até engolir a derradeira gota do cálice. Apesar de se "lhe partir o coração", da "igualdade de oportunidades para todos"  e dos "valores mais profundos" que lhe vão na alma que ele manifestamente não possui. Como nas corridinhas na primeira calçada disponível, Sócrates pretende "andar para a frente". Está muito contentinho consigo mesmo. Acabará fatalmente a chocar contra uma parede.



João Gonçalves

18 JUNHO 2009 - 15.58h

Deja vu

Categoria - Política

Alguém me sabe dizer quem é o sujeito que ontem à noite foi entrevistado pela Ana Lourenço na SIC? Estive a manhã toda com a sensação de que conheço o indíviduo de algum lado mas não consigo lembrar-me de onde.



Rui Castro

17 JUNHO 2009 - 19.25h

Grandes erros. Grandes confissões.

Categoria - Política

 José Sócrates explicava há minutos na TSF que cometeu alguns erros durante o mandato. E até deu um exemplo. Sócrates confessa que devia ter apostado mais na cultura. Ora cá está um erro do grande líder. Pode-se imaginar quais serão os outros. O governo podia ter ajudado mais os deficientes. Ou defendido melhor a família. Ou, quem sabe, ajudado mais as crianças ou os velhos. Ou apoiado mais o desporto e a vida saudável. Grandes erros. Grandes confissões.



João Miranda

Autor:

  • Rui Castro

    Advogado. O seu conservadorismo é um acto de rebeldia. Gostava de ser de esquerda mas é mal frequentada.

  • Maradona

    Cidadão que só faz posts sob a capa do anonimato.

  • Carlos do Carmo Carapinha

    Alentejano, hipocondríaco, filosoficamente conservador, céptico e pessimista. Só chatices

  • Lourenço Ataíde Cordeiro

  • Nuno Pombo

  • PM Ramires

    

Arquivo

<Novembro 2014>
 
segterquaquisexsábdom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
       

Posts Destacados

    
Copyright ©. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Edirevistas, S.A. , uma empresa Cofina Media, SGPS. Consulte as condições legais de utilização.