Você está em: Homepage / Arquivo / Ultima Hora / Mundo / Inglaterra: Pratchett reclama o direito de morrer e filha apoia-o

Notícias » Mundo

Alterar tamanho de letra

Mundo

Inglaterra: Pratchett reclama o direito de morrer e filha apoia-o

06-03-2013, por SÁBADO

1 de 1 notícias em Mundo

Inglaterra: Pratchett reclama o direito de morrer e filha apoia-o

Rhianna Pratchett, filha do reconhecido escritor britânico, Terry Pratchett, não consegue esquecer o momento exacto em que recebeu a notícia que o pai sofria de Alzheimer. Estava presa no trânsito dentro de um táxi quando o pai lhe telefonou.

Desde esse momento, em Dezembro de 2007, que Terry Pratchett tornou pública a sua posição sobre a doença e sobre a morte e que advoga o direito de poder ter uma morte assistida. Agora, cinco anos mais tarde, a filha revela ao "Mail Online" que o apoia nesta posição.

"O meu pai acredita, assim como eu, que as pessoas que têm doenças muito debilitantes e em última análise fatais, possam ter o direito de terminar com a sua vida no momento que escolherem, em vez de esperarem até ao fim em sofrimento", disse ao jornal inglês.

Aos 59 anos, Terry Pratchett - o autor britânico que mais vende a seguir a J.K. Rowling, já vendeu mais de 70 milhões de livros e está publicado em 37 línguas -, recebeu o diagnóstico de uma forma rara de Alzheimer. 

Neste momento, Pratchett, embora continue a fazer histórias, já não consegue escrever. Faz uso de uma tecnologia que reconhece a sua voz e lhe permite ditar o texto em voz alta. 

Em Fevereiro de 2010, numa palestra transmitida pela BBC, com o tema "Shaking Hands With Death", foi lido em voz alta um texto do autor. 

Dizia: "Gostava de morrer de forma pacífica, com o Thomas Tallis a tocar no meu iPod, e antes que a doença me domine por completo."








 

Comentários





Copyright ©. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Edirevistas, S.A. , uma empresa Cofina Media, SGPS. Consulte as condições legais de utilização.